Zipi/EFE
Zipi/EFE

Brasil está bem preparado para lidar com alta dos juros nos EUA, diz Levy

Em evento na Espanha, ministro da Fazenda defende que recuperação da economia do País 'é uma questão de meses'

Reuters

07 Setembro 2015 | 10h45

MADRI - O Brasil está bem preparado para lidar com qualquer volatilidade do mercado resultante de uma alta na taxa de juro dos Estados Unidos, disse o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, nesta segunda-feira, 7, em Madri.

Levy afirmou em uma reunião na capital espanhola que os bancos brasileiros foram bem capitalizados e têm grandes reservas cambiais.

"Isso nos assegura que, mesmo se começar uma volatilidade após o início de ajustes na taxa de juro dos EUA - e haverá volatilidade, porque hoje o mercado está menos fluido e não fazemos o trabalho que costumávamos fazer para absorver os choques - no Brasil estamos bem preparados para enfrentar esse primeiro período de volatilidade", disse Levy.

O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, em discurso no mesmo evento, disse que um aumento da taxa nos EUA poderia produzir certa volatilidade e incerteza, mas acredita que o Federal Reserve fez um bom trabalho na preparação do terreno para um aumento.

"Eu não acho que vai ter um impacto significativo (na economia espanhola)", declarou ele no evento organizado pelo jornal espanhol El País.

Muitas economias emergentes estão preocupadas de que uma alta na taxa do Fed desencadearia grandes saídas de capital dessas economias, criando uma turbulência no mercado que prejudicaria o crescimento.

A economia brasileira entrou em recessão técnica oficialmente ao encolher mais do que o esperado no segundo trimestre, com contração da indústria, serviços e agricultura, assim como queda nos investimentos e consumo das famílias, pavimentando ainda mais o caminho para o país fechar 2015 com o pior desempenho da atividade em 25 anos.

Mas Levy expressou confiança de que a economia do país começará a sair da recessão em breve.

"A recuperação é uma questão de meses exatamente porque o governo tem tido a força de tomar as medidas necessárias a curto prazo", declarou ele.

Entre abril e junho, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil encolheu 1,9 por cento sobre os três meses anteriores e caiu 2,6 por cento na comparação anual, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no final de agosto. (Reportagem de Adrian Croft)

Mais conteúdo sobre:
Joaquim Levy Ministério da Fazenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.