SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

'Brasil está semiquebrado', afirma ex-presidente do BC

Segundo Arminio Fraga, quadro fiscal do País se transformou em uma profunda crise econômica e se misturou com crises de corrupção, de valores e política

Célia Froufe , O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2015 | 16h28

BRASÍLIA - O quadro fiscal se transformou em profunda crise econômica e se misturou com crises de corrupção, de valores e política, na opinião do ex-presidente do Banco Central e assessor econômico do então candidato à presidente Aécio Neves, Arminio Fraga.

Ele apresentou pontos negativos da economia doméstica e também do ambiente externo, mas disse que os problemas principais são internos. Sobre a dimensão internacional, que, segundo ele, não tem sido favorável nos últimos cinco anos, Fraga citou a queda dos preços das commodities, a atuação recente do Federal Reserve e, mais recentemente, a situação da China. "Uma das consequências importantíssimas é o estrago que se fez ao Estado Brasileiro."

O agravamento da situação econômica do País, de acordo com Fraga, no entanto, não chegou a ser uma surpresa. Segundo ele, a carga tributária já está acima de 30% do PIB, o Estado é refém de interessados partidários e tem se mostrado incapaz de lidar com a ainda desigual distribuição da renda do País. "O Estado está doente e com suspeita de uma doença maior. Esse Estado tem se mostrado ineficaz em entregar os serviços que as pessoas desejam, apesar de quanto se gasta. É um estado que está semiquebrado", disse.

Mais conteúdo sobre:
arminio fraga ajuste fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.