1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Brasil fecha quase 100 mil vagas de emprego formal em janeiro

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 18h 46

Resultado é o pior para o mês desde 2009, no auge da crise financeira; comércio foi o setor que mais fechou vagas

Juros altos, desemprego e inflação pesam na piora do comércio

Juros altos, desemprego e inflação pesam na piora do comércio

Depois de registrar o fechamento de 1,5 milhão de vagas formais de emprego em 2015, o País iniciou o ano com mais um dado negativo do mercado de trabalho. O saldo de empregos em janeiro foi negativo em 99.694 postos, pior que o apresentado em janeiro do ano passado, quando ficou negativo em 81.774 vagas pela série sem ajuste.

O resultado, fruto de 1.205.040 admissões e de 1.304.734 desligamentos, é o pior para o mês desde 2009, quando o saldo de empregos em janeiro foi de menos 101.748 postos, pela série sem ajustes. Os números foram divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social.

O comércio foi o setor que mais fechou vagas de trabalho com carteira assinada em janeiro. No total, foram encerrados 69.750 postos no mês passado, fruto de 286.509 admissões e 356.259 desligamentos.

O segundo pior destaque ficou com o setor de serviços, que apresentou retração de 17.159 vagas no mês. O dado foi acompanhado pela indústria de transformação, com menos 16.553 postos, seguido da construção civil, que fechou 2.588 vagas, e da indústria extrativa mineral, que teve menos 1.220 empregos.

O único setor com desempenho positivo em janeiro foi a agricultura, que abriu 8.729 vagas formais de emprego.

Dentro do esperado. O saldo líquido de empregos formais no mês ficou dentro do esperado pelo mercado. Pesquisa do AE-Projeções realizada com 22 instituições do mercado financeiro apontava que o saldo líquido do Caged de janeiro seria de fechamento de 60.400 a 180.000 vagas. A partir deste intervalo, a mediana ficou negativa em 141.289 postos.

A série sem ajuste considera apenas o envio de dados pelas empresas dentro do prazo determinado pelo MTE. Após esse período, há um ajuste da série histórica, quando os empregadores enviam as informações atualizadas para o governo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX