Divulgação/Grupo Volkswagen
Divulgação/Grupo Volkswagen

Brasil não está pronto para carro sem motorista

Por falta de infraestrutura, importados chegam ao País com sistemas autônomos desligados

Cleide Silva e Tião Oliveira, O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2018 | 05h00

Carros sem motoristas começarão a ser mais frequentes nos próximos dois anos, quando várias montadoras colocarão nas ruas modelos para testes especialmente em serviços de compartilhamento. O passo para a produção em massa vai levar mais tempo, mas os países desenvolvidos já se preparam para receber em breve os carros autônomos.

No Brasil e em outros mercados emergentes, no entanto, esse futuro está mais distante. Mesmo modelos com tecnologias avançadas que chegam ao País atualmente têm os sistemas desligados em razão de entraves como falta de legislação específica e infraestrutura para conectá-los às estradas e sinalizações, além do custo alto desse processo.

O semiautônomo mais avançado e já em produção em série no mundo, o Audi A8, dispensa a atuação do motorista em congestionamentos. O sedã será importado pela Audi brasileira no fim do ano, mas esse sistema não funcionará no País.

O carro tem nível 3 de automação, mas no Brasil, sem esse sistema, será rebaixado ao nível 2. “O Brasil precisa começar a trabalhar em infraestrutura e em definições na legislação se quiser esse tipo de tecnologia no futuro”, diz o presidente da Audi no País, Johannes Roscheck.

No mercado desde outubro de 2016, o Mercedes-Benz Classe E entra no País com três sistemas desativados. Um deles avalia o momento seguro para trocar de faixa sozinho após o condutor ligar a seta. Outro interage com o GPS e, por exemplo, controla a velocidade quando uma curva acentuada se aproxima. Um terceiro sistema permite o reconhecimento de placas de sinalização.

A Volkswagen também desabilitou função similar em versões do Golf importadas da Alemanha em razão da falta de padronização das placas nas vias brasileiras, como a altura.

Também importado desde maio de 2016, o BMW Série 7 tem o dispositivo de estacionamento remoto desligado quando entra no Brasil. Ele permite que o condutor comande a manobra de fora do carro, por meio do smartphone, mas ainda não foi habilitado pelo órgão local de trânsito e, por isso, é proibido.

“Os autônomos ainda são uma realidade muito distante do Brasil”, acredita Carlos Ayub, sócio da consultoria Deloitte. “Com a falta de estrutura de cidades e rodovias, vejo isto apenas para o longo prazo”.

Paulo Cardamone, diretor de estratégia da Bright Consulting, acredita que os autônomos só estarão efetivamente nas ruas em 20 ou 30 anos. “Até lá, é possível que haja linhas específicas, em trajetos preestabelecidos como táxis partindo de aeroportos para a região central das grandes cidades”. 

Para o sócio da PricewaterhouseCoopers (PwC) do Brasil, Marcelo Cioffi, o fator principal que pode limitar a chegada dos autônomos é mais econômico do que tecnológico. “As tecnologias estão evoluindo de maneira tão rápida que sua aplicação não será empecilho”.

À frente. No mês passado, a General Motors apresentou nos EUA o Cruise, seu primeiro modelo totalmente autônomo, sem volante nem pedais. A empresa promete colocá-lo para testes no próximo ano, inicialmente em uma frota de táxis.

A GM aguarda autorização de órgãos governamentais para a circulação desses veículos (veja acima como ele funciona).A montadora já tem 180 modelos Bolt autônomos rodando por cidades americanas, mas que ainda são equipados com volantes e exigem a presença de engenheiros da empresa no banco do motorista.

A Toyota mostrou recentemente o e-Pallete, conceito de food truck autônomo para entrega de comida e outros produtos. A empresa espera iniciar testes com seu veículo futurístico em 2020 durante os jogos olímpicos de Tóquio.

O presidente da Toyota no Brasil, Rafael Chang, diz não saber quando tecnologia similar vai estar no Brasil, “mas chegará”. Ele ressalta que há 15 anos não se imaginava que mudanças tecnológicas viriam com tanta rapidez e cita os exemplos dos celulares e da internet.

Na opinião de Pablo Di Si, presidente da Volkswagen América do Sul e Brasil, o governo brasileiro precisa traçar um plano de dez, 15 ou 20 anos para planejar a introdução das novas tecnologias no País.

“Deveria começar nas grandes cidades, em áreas pequenas, e depois iria expandindo na medida em que tivesse sucesso”, sugere Di Si. O executivo ressalta que primeiro é preciso ter infraestrutura e conectividade. “Hoje, temos dificuldade até em fazer uma ligação de celular, pois sempre cai”.

Em 2021 a Volkswagen terá à venda modelos autônomos de nível 4 na Europa, primeiro para uso compartilhado. Os mais prováveis são os atualmente conceitos ID Buzz (evolução da Kombi) e o utilitário-esportivo ID Crozz.

IPI. O Brasil, na opinião de especialistas, dará um primeiro passo a caminho da automação nos próximos dias, quando for publicada medida que reduz o IPI para carros híbridos e elétricos. “A eletrificação é fundamental para o desenvolvimento da condução autônoma”, diz o vice-presidente da Ford para a América do Sul, Rogelio Golfarb, confirmando que os carros do futuro serão eletrificados, conectados e autônomos.

A redução dos impostos, que no caso do carro elétrico vai cair de 25% para 7%, mesma alíquota prevista para o híbrido, deve melhorar o acesso aos produtos importados para difundir a tecnologia no País.

Embora distante, a tecnologia dos autônomos já tem aprovação de brasileiros. Pesquisa da consultoria Deloitte mostra que, entre 1,5 mil entrevistados, só 25% consideram inseguro o carro sem motorista, porcentual que há um ano era de 54%.  O resultado mostra que os brasileiros estão menos céticos do que a média de 22 mil consumidores de 17 países ouvidos no início do ano. O resultado geral da pesquisa indica que 41% não confiam em andar em um carro autônomo. Em 2017, o receio era maior – 67%. Nos EUA, 47% dos entrevistados dizem não se sentir seguros, embora essa fatia fosse de 74% no ano passado. Na Alemanha o porcentual de céticos caiu de 72% para 45%.

“A redução da desconfiança em todos os mercados é resultado do maior acesso a informações sobre o progresso no desenvolvimento dos carros autônomos, tendo em vista que é uma realidade que está próxima, pois várias empresas anunciaram lançamentos para breve”, diz Carlos Ayub, da Deloitte.

Outro destaque é que, na média geral, 45% dos entrevistados confiam mais nas grandes montadoras para desenvolver e produzir carros que dispensam o motorista, em vez de empresas de tecnologia. Essa também é a escolha de 52% dos brasileiros.

Outro item em que os brasileiros destoam é o custo. A maioria dos consumidores de países como Alemanha (50%), Bélgica (55%) e França (58%) não quer pagar mais por esses carros. Já 68% dos brasileiros aceitariam gastar um adicional na compra de um autônomo. 

NÍVEIS DE AUTOMAÇÃO:

Nível um

O carro mantém a velocidade e a distância que o motorista determinar do veículo à frente. Monitora mudança involuntária de faixa, identifica cansaço do condutor e freia automaticamente em caso de risco de acidente. Exemplos: Ford Ranger e Chevrolet Cruze

Nível dois

Permite que o motorista retire as mãos do volante por períodos curtos. O automóvel desvia de obstáculos, impede ultrapassagem se outro veículo estiver se aproximando e estaciona sozinho. Exemplos: Mercedes-Benz Classe E e BMW Série 7

Nível três

O condutor pode largar o volante e ler ou falar ao telefone. O sistema o monitora só para saber se está apto a reassumir o controle caso seja necessário e manda sinais se entender que há risco de acidente caso o motorista durma. Exemplo: Audi A8 e Tesla Autopilot

Nível quatro

Dispensa o motorista na maior parte do tempo. Ele só será acionado caso o carro não saiba lidar com alguma situação, por exemplo decidir se prossegue ou não em meio a uma nevasca. O veículo é capaz de agir em emergências, pois o motorista pode não estar pronto para assumir o volante. Exemplo: conceito Elaine, da Audi e ID Buzz, da Volkswagen

Nível cinco

O carro não tem volante, pedais nem alavanca de câmbio. A condução é 100% automatizada e segue comandos. O veículo chega ao destino previamente estipulado. Algumas marcas sugerem que o interior desses modelos seja como uma sala de estar sobre rodas. Exemplo: Chevrolet Cruise e Renault Symbioz

Mais conteúdo sobre:
carro autônomo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.