1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Brasil será 2º país com maior alta na produção de petróleo fora da Opep até 2021

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 10h 01

Segundo AIE, a despeito dos problemas enfrentados pela Petrobrás, o País será capaz de aumentar a produção em cerca de 800 mil barris diários até 2021

Apesar da perspectiva de alta da produção, AIE reconhece que o cenário para a estatal Petrobrás não é dos melhores

Apesar da perspectiva de alta da produção, AIE reconhece que o cenário para a estatal Petrobrás não é dos melhores

LONDRES - O Brasil será responsável pelo segundo maior aumento da produção de petróleo entre os países que não fazem parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) no médio prazo. A previsão foi divulgada pela Agência Internacional de Energia (AIE). A entidade avalia que, a despeito dos problemas enfrentados pela Petrobrás, o País será capaz de aumentar a produção em cerca de 800 mil barris diários até 2021, quando a produção deve atingir 3,36 milhões de barris diários de petróleo.

Relatório com a atualização do cenário global para o mercado de petróleo afirma que "a despeito de todos os problemas logísticos e institucionais" enfrentados pelo Brasil, a produção de petróleo crescerá. "A oferta de petróleo do Brasil passará do patamar de 2,5 milhões de barris diários em 2015 para 3,4 milhões de barris em 2021. Parece que, pelo menos até agora, as novas instalações mais que compensarão o declínio em alguns campos de produção", cita o relatório.

Apesar de o Brasil aparecer com lugar de destaque entre os países com aumento da produção, a AIE reconhece que o cenário para a estatal Petrobrás não é dos melhores. "A Petrobrás não lida apenas com os preços mais baixos do petróleo, mas também com um escândalo de corrupção, atrasos em licitações e na produção, dívida enorme e problemas econômicos e políticos mais amplos", cita o relatório.

Por isso, diz a AIE, a estimativa para a produção de médio prazo do Brasil foi "marginalmente rebaixada". No relatório do ano passado, a AIE previa produção de 3,21 milhões de barris diários em 2020. Agora, espera 3,16 milhões de barris para o mesmo ano. Em 2021, a produção atingirá 3,36 milhões de barris.

A AIE relata os vários problemas que a empresa estatal tem enfrentado. Cita, por exemplo, o corte no plano de investimentos da companhia que reduziu pela metade a produção prevista para 2019, de 4,2 milhões de barris para 2,8 milhões de barris. Além de cortar projetos futuros, a empresa tem sofrido com atrasos de empreendimentos já contratados como 12 plataformas para o pré-sal. "Incertezas sobre a conclusão e desenvolvimento desses equipamentos são claramente o fator principal no julgamento de como o Brasil conseguirá aumentar a produção durante o período da previsão", cita o texto. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX