1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Brasil tem 98 milhões de pessoas sem acesso à internet

- Atualizado: 14 Janeiro 2016 | 08h 53

País é o sétimo do mundo com mais pessoas offline; 60% da população mundial, ou cerca de 4,2 bilhões de pessoas, seguem desconectadas

No Brasil, quase metade da população está offline

No Brasil, quase metade da população está offline

NOVA YORK - A internet e as tecnologias digitais têm se ampliado rapidamente, mas 60% da população mundial, ou cerca de 4,2 bilhões de pessoas, seguem sem acesso à rede mundial dos computadores, afirma o Banco Mundial em um relatório divulgado nesta quarta-feira, chamado "Dividendos Digitais". O Brasil tem 98 milhões de pessoas que não têm acesso à internet, o sétimo país com mais pessoas offline.

A Índia, com 1 bilhão de pessoas, e a China, com 755 milhões, são os dois países do mundo em que mais habitantes estão sem acesso à internet, de acordo com o estudo. Considerando a internet de alta velocidade, apenas 15% da população mundial, ou 1,1 bilhão de pessoas, conseguem esse tipo de serviço. Pelo lado positivo, o Brasil é o quinto do mundo em número de usuários, atrás de China, Estados Unidos, Índia e Japão.

"Nos encontramos em meio à maior revolução de informação e comunicação da história da humanidade", afirma o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, no estudo. Mas se as tecnologias digitais têm crescido rapidamente pelo mundo, o mesmo não se pode dizer sobre os benefícios desse avanço, ou os dividendos, como chama o relatório. "A internet continua indisponível, inacessível e fora do alcance econômico para a maioria da população mundial", afirma o documento.

Os benefícios do desenvolvimento digital, ressalta o texto, ficaram até agora abaixo do esperado. "Embora o número de usuários da internet no mundo tenha mais do que triplicado desde 2005, quatro bilhões de pessoas ainda carecem de acesso à rede". Além disso, o avanço e o acesso a essas tecnologias tem sido desigual ao redor do mundo. O estudo menciona que apenas 31% da população dos países em desenvolvimento tinham acesso à internet, em comparação com 80% nos países de renda alta, de acordo com dados de 2014.

Os autores do documento, Deepak Mishra e Uwe Deichmann, mencionam que os benefícios da rápida expansão digital estão sendo melhor aproveitados por "pessoas de maior renda, qualificadas e influentes". Para reverter esse quadro, o Banco Mundial avalia que a internet precisa ser "universal, economicamente viável, aberta e segura" e os governos têm ainda que reforçar as regulamentações que assegurem concorrência entre as empresas do segmento.

"O relatório constata que os desafios tradicionais ao desenvolvimento estão impedindo a revolução digital de realizar seu potencial de transformação", ressalta o documento. Para que mais pessoas tenham acesso à tecnologia, os governos precisam investir em melhorar do ambiente de negócios e a educação. O estudo cita que 20% da população do planeta não consegue ler e escrever.

Celulares. O estudo estima que 5,2 bilhões de pessoas no mundo possuem um celular. "Entre os 20% dos domicílios mais pobres, quase 7 de cada 10 têm telefone celular. É mais provável que as residências mais pobres tenham acesso a celulares do que a sanitários ou água potável", afirma o Banco Mundial. Mesmo assim, o documento chama atenção para o fato de 2 bilhões de pessoas ainda não terem o aparelho e cerca de 500 milhões estarem em áreas sem sinais das operadoras.

No leste da África, 40% da população adulta já faz pagamentos de contas, como as de energia elétrica, por meio do celular, afirma o Banco Mundial, ressaltando que o avanço do mundo digital ajuda a melhorar os serviços e o desenvolvimento econômico.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX