1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Brasileiro gasta por ano 40% do valor do carro com manutenção e despesas

Bianca Pinto Lima, do Economia & Negócios

27 Fevereiro 2013 | 08h 00

Combustível, que teve o preço reajustado em janeiro, é o item que mais pesa no orçamento; ferramenta do 'Estado' calcula quanto você gasta com o automóvel 

O brasileiro gasta em média 40% do valor do carro por ano apenas com manutenção e despesas. Segundo cálculos da consultora financeira Marcia Dessen, uma pessoa despende R$ 1.024 por mês ou R$ 12.289 por ano para manter um veículo de R$ 30 mil. A conta inclui valores aproximados das despesas com combustível, estacionamento, pedágio, seguro, impostos, manutenção e multas. Caso a parcela do financiamento também fosse considerada, o gasto mensal saltaria para R$ 1.774.

O combustível é o principal vilão do orçamento do automóvel e passou a pesar ainda mais após o reajuste dos preços pela Petrobrás no final de janeiro. A gasolina teve uma alta de 6,6% nas refinarias, o que significou um aumento entre 4% e 5,3% nos postos, segundo dados de consultorias. Já o álcool, que está na entressafra, subiu 4,89% e foi o principal responsável pela aceleração da inflação do carro no mês passado, segundo a agência Autoinforme.

Com os preços do setor em alta, o brasileiro compromete uma fatia cada vez maior da renda para cuidar desse bem. Uma pessoa com salário mensal de R$ 5 mil, por exemplo, usaria 35,5% da renda para comprar e manter o veículo (considerando o financiamento). "Não existe um porcentual limite, mas é complicado uma pessoa ou família alocar mais de 20% para despesas de transporte", alerta Marcia. Na ferramenta abaixo, calcule os seus próprios gastos:

 

Quase um filho

"Excluindo os gastos com educação, o carro custa mais que um filho no dia a dia", afirma o educador financeiro Mauro Calil. Uma pessoa que faça grandes deslocamentos e use um tanque de álcool por semana, por exemplo, gastará cerca de R$ 450 por mês de combustível, calcula Calil. "Esse valor às vezes é a compra de mês de uma família."

Ele destaca, ainda, que quem tem carro, necessariamente tem dívida, mesmo que ele já esteja quitado. "A dívida chama-se Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Se não pagar, o governo pode tirar o carro e outros bens da pessoa."

Após ficar inadimplente com o financiamento e não conseguir renegociar a dívida com o banco, o segurança Gutemberg dos Santos Salomão, de 42 anos, decidiu devolver o carro à instituição financeira e perdeu tudo o que havia pago: um total de R$ 16 mil. A Parati usada havia sido repassada pelo cunhado, que também não conseguira honrar com os pagamentos após ficar desempregado. "Na época em que o IPVA se somava à manutenção sempre complicava", conta Salomão.

Quase três anos após adquirir o veículo, ele se viu obrigado a escolher entre o tratamento de saúde da esposa, o aluguel e o automóvel. O carro foi, então, para o final da lista. Apesar da recente perda financeira, ele espera poder comprar outro em breve. "Automóvel é uma necessidade. Para fazer compras, sair à noite e ir ao trabalho", diz.

Estratégias

"O carro obviamente melhora a qualidade de vida, mas se esse bem representa 30% do orçamento, a pessoa estará abdicando de lazer para manter o automóvel", diz Calil. Para reduzir os custos sem abrir mão da comodidade, o educador financeiro cita duas alternativas.

A primeira é adquirir um veículo mais barato, que também terá custos menores de manutenção. Alguns modelos populares oferecem muito conforto e são boas opções. Já para os casais, a saída é ter apenas um veículo. "Em vez de dois carros de R$ 35 mil, por exemplo, o casal pode ter um de R$ 50 mil. Será uma economia de R$ 15 mil e menos despesas."

Já para quem está no vermelho, o conselho é mesmo vender o automóvel. "Fique sem o veículo por seis meses ou o tempo necessário para equilibrar as finanças. E depois repense quanto do orçamento poderá ser comprometido", diz Marcia. Segundo ela, é interessante refletir se com o dinheiro seria possível morar melhor ou educar melhor. E só então tomar uma decisão. 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo