Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Cabeleireira vive com apenas R$ 30 por mês

Francisca perdeu emprego no final do ano passado e foi roubada e agora faz apenas bicos

Monica Bernardes, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 21h29

RECIFE - Depois de três anos trabalhando em um salão de beleza, a cabeleireira Francisca da Silva, 34, lamenta ter perdido o emprego, no final do ano passado, depois do fechamento do estabelecimento. Sem emprego e sem salário teve que deixar a casa onde morava de aluguel. Foi com a filha adolescente morar na casa de uma irmã, onde já residiam outras sete pessoas. O pouco dinheiro que ganha vem de bicos que consegue cortando cabelo de outros moradores da comunidade do Pilar, localizada no Bairro do Recife, na área histórica da cidade. Nascida na cidade de Caruaru, no Agreste do Estado, mudou para a capital há dez anos, em busca de uma vida melhor.

+ 1% mais rico ganha 36 vezes o que ganha a metade mais pobre da população

“Aqui todo mundo é muito pobre. Perdi meus materiais durante um assalto e por isso não tenho nem como oferecer meu trabalho em outros locais. Só me sobrou uma tesoura e um pente. Já tentei emprego em dezenas de salões, mas a resposta é sempre a mesma: não há vagas. De vez em quando vem alguém aqui na casa da minha irmã pedindo um corte de cabelo, a aplicação de uma tintura e eu faço na hora. Mas o que consigo ganhar é muito pouco. Tem mês que é R$ 30,00. Tem outros que nem isso. Sou cardíaca e não posso trabalhar fazendo esforço físico. Minha irmã é faxineira e é quem está me ajudando. Se não fosse ela eu e minha filha não teríamos o que comer e nem onde dormir”, destacou. Os serviços de corte oferecidos por Francisca variam de R$ 5 a R$ 7 dependendo do modelo escolhido e do tamanho do cabelo.

+ Desigualdade piora em 4 das 5 regiões do País em 2017, aponta IBGE

Sem emprego formal há mais de 10 anos, quando ocupou, por seis meses, uma vaga de servente de pedreiro, o recifense José Araújo faz malabarismos diários para sobreviver. Sem dinheiro para pagar aluguel, mora de favor, nos fundos de uma lanchonete no bairro da Boa Vista, área central da capital pernambucana. Em troca, varre a área externa do negócio e cuida do jardim. Durante o dia, das 8h às 18h tenta conseguir algum dinheiro lavando para-brisas de veículos nos semáforos de ruas e avenidas do bairro. O ganho mensal com a atividade, segundo ele, não passa de R$ 50,00.

“Faz muito tempo que eu não sei o que é ter dinheiro certo no bolso e muito menos um salário digno. Todo dia eu me viro para comer. É uma doação de pão, uma fruta, uma marmita. Se não for assim, não consigo. As roupas que eu uso são doadas, os calçados também. Vou de um lado para o outro caminhando porque não tenho dinheiro para o transporte e só tenho um local para dormir porque o dono da lanchonete me conheceu há muitos anos, quando trabalhamos juntos, e sabe que eu sou uma pessoa honesta”, contou.

Mais conteúdo sobre:
salário trabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.