1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cade irá investigar possíveis abusos da Sabesp na venda de água no atacado

- Atualizado: 09 Março 2016 | 15h 56

Serviço de saneamento de Santo André alega que a Sabesp estaria abusando de sua posição dominante no mercado e cobrando preços abusivos

Sabesp estaria cobrando preços abusivos de outros distribuidores

Sabesp estaria cobrando preços abusivos de outros distribuidores

SÃO PAULO - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomenda a instauração de um inquérito administrativo para investigar supostos abusos cometidos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) na comercialização de água no mercado atacadista.

O posicionamento da autarquia ocorre após o Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa) apresentar uma representação, em novembro do ano passado, alegando que a Sabesp estaria criando dificuldades ao funcionamento de prestadores autônomos municipais de distribuição de água no varejo.

Segundo o Semasa, a Sabesp estaria abusando de sua posição dominante no mercado de fornecimento de água no atacado e cobrando preços abusivos, atuando de modo a excluir prestadores autônomos municipais de serviços de fornecimento de água no varejo, com a intenção de verticalizar esse tipo de serviço.

Conforme a denúncia, as condutas da Sabesp "geram vultosas dívidas dos serviços autônomos dos municípios", o que faz com que as prefeituras dessas cidades tenham de entregar os serviços autônomos de varejo à Sabesp em razão do alto endividamento.

Em nota técnica, o Cade informa que pediu esclarecimentos da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) em relação à metodologia para determinar a composição tarifária cobrada pela Sabesp. Além disso, consultou distribuidoras municipais autônomas de água no varejo, para que apresentassem manifestações em relação ao assunto.

Segundo a autarquia, as respostas fornecidas pelos prestadores municipais "indicam que os preços praticados pela Sabesp podem ser, efetivamente, discriminatórios". Quanto à regulação de preços da Arsesp, o Cade diz que os preços são "tarifas-teto", existindo uma margem para que a Sabesp decida qual preço praticará.

"Dessa forma, faz-se necessário realizar outros atos instrutórios para verificar a veracidade das alegações do Semasa. Também é importante oficiar diretamente a Sabesp, para que preste os esclarecimentos que entender pertinentes e para que forneça os dados necessários para a análise criteriosa da conduta sob investigação", diz o Cade.

Segundo informações fornecidas pela Arsesp, os municípios de Diadema, Glicério, Magda, Torrinha, Brejo Alegre, Quadra, São Bernardo do Campo e Santa Isabel deixaram de ser atendidos por distribuidores independentes e passaram para a Sabesp nos últimos 15 anos. Além disso, Diadema, Guarulhos, Mauá, Mogi das Cruzes, Santo André, São Caetano e Sumaré compram água no atacado da Sabesp.

Quanto ao posicionamento das distribuidoras municipais, o Departamento de Água e Esgoto de São Caetano do Sul afirmou ser totalmente dependente da água produzida e fornecida no atacado pela Sabesp, informando ainda que não tem participação nas reuniões de decisão dos reajustes e nunca recebeu a composição de custos que representa o preço atualmente cobrado para o tratamento e entrega do metro cúbico de água produzido.

Já o Serviço Municipal de Água e Esgotos de Mogi das Cruzes informou ao Cade que existem diferenciações de valores cobrados pela Sabesp no atacado e no varejo, afirmando não ter conhecimento dos critérios de definição de preços praticados pela empresa.

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos, por sua vez, informou que identifica discriminação da Sabesp com relação à quantidade fornecida, o que teria provocado impactos na qualidade dos serviços de abastecimento de água da cidade, e com relação à prática de uma tarifa "muita acima do razoável", o que teria comprometido a sustentabilidade da prestação dos serviços.

Procurada, a Sabesp afirmou em nota que "sempre está de portas abertas para negociação com permissionários" e que não detém o monopólio da água tratada no atacado. "O próprio Semasa, que tem outorga para retirar água na represa Billings, poderia fazer a captação", diz a companhia.

Segundo dados fornecidos pelo advogado da Sabesp, Rubens Naves, a dívida do município de Santo André com a companhia, em setembro de 2015, totalizava R$ 2,875 bilhões, sendo R$ 883 milhões referentes ao fornecimento de água e R$ 1,992 bilhão em precatórios. Guarulhos possui dívida de R$ 2,701 bilhões, enquanto o débito de Mauá totalizava R$ 2,009 bilhões. A Sabesp já celebrou protocolo de intenções com os três municípios para equacionar as relações comerciais entre as partes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX