Caged deve apontar mais cortes de vagas

Os dados do emprego formal já estão prontos na área técnica do Ministério desde a última quarta-feira, 16

Bernardo Caram , O Estado de S.Paulo

23 Setembro 2015 | 02h02

BRASÍLIA - Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) vão mostrar uma queda nos postos de trabalho formais no País em agosto. O resultado negativo, porém, vai indicar uma retração menos intensa que a do mês anterior. Segundo fontes do Ministério do Trabalho e Emprego ouvidas pelo Broadcast, serviço de tempo real da Agência Estado, o relatório deve mostrar que o País fechou no mês passado aproximadamente a metade das vagas que foram encerradas em julho, quando o saldo negativo ficou em 158 mil postos.

Os dados serão apresentados pelo Ministério do Trabalho até sexta-feira. A data é atípica, já que o relatório do Caged costuma ser apresentado no meio do mês. Apesar da demora, os dados do emprego formal já estão prontos na área técnica do Ministério desde a última quarta-feira, 16.

Se confirmado, o resultado estará em linha com o levantamento feito com 13 instituições financeiras que indica um corte entre 40 mil e 151,9 mil postos com carteira assinada, com mediana que aponta para um número negativo de 70 mil. No último dia 9 de setembro, o ministro Manoel Dias já havia adiantado: "Acho que ainda vem negativo, porque você não pode cortar abruptamente números que são altos", disse. Neste ano, o Brasil já fechou quase 500 mil postos.

No Ministério, há a expectativa de que em setembro os dados comecem a melhorar, puxados pelas contratações para festas de fim de ano. A equipe de Dias, entretanto, teme o resultado de dezembro, tradicionalmente com grande número de demissões.

Mais conteúdo sobre:
Caged. emprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.