1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Caixa é obrigada a trocar agência de publicidade

- Atualizado: 30 Janeiro 2016 | 14h 56

Para manter as regras de licitação, Justiça determinou que banco coloque a Propeg no lugar da Borghi-Lowe, descartada por envolvimento na Lava Jato

Atualizada às 14h55 para correção de informação

BRASÍLIA - A Caixa Econômica Federal foi obrigada pela Justiça a colocar a agência de publicidade Propeg no lugar da Borghi-Lowe, descartada pelo envolvimento nas investigações da Operação Lava Jato. Dono de uma das três maiores contas de publicidade do País, o banco estatal gasta R$ 500 milhões por ano em publicidade. A verba é dividida entre quatro agências.

A licitação dessa conta de publicidade foi feita em 2012. Pelo edital, a Caixa selecionaria quatro empresas que manteriam a concorrência interna entre elas pelo período do contrato, com vigência de um ano e possibilidade de renovação por até cinco anos (até 2018). As quatro vencedoras da licitação apresentam propostas ao banco durante esse período e são remuneradas por cada trabalho.

No ano passado, a Caixa renovou com três agências: Heads Propaganda, Nova S/B Comunicação e Artplan Comunicação, deixando de fora a Borghi-Lowe, primeira colocada no processo de seleção.

Licitação da Caixa, em 2012, previa 4 agências

Licitação da Caixa, em 2012, previa 4 agências

O diretor da Borghi-Lowe em Brasília, Ricardo Hoffmann, que estava preso desde abril de 2015, foi solto neste mês. Ele foi condenado, em setembro, a 12 anos e 10 meses de prisão acusado de pagar propina ao ex-deputado federal André Vargas por propina de ao menos R$ 1,1 milhão em contratos de publicidade firmados com a Caixa e o Ministério da Saúde.

A Caixa repassou R$ 949 milhões por dois contratos a Borghi-Lowe. Além do firmado em 2013, a instituição tinha sido cliente da agência entre agosto de 2008 e abril de 2013, junto com as agências Fischer&Friends e a Nova S/B.

Quinta colocada na disputa, a Propeg entrou na Justiça solicitando ser colocada no lugar da Borghi-Lowe e obteve sucesso. Em nota, a Caixa disse que cumprirá a decisão judicial e continuará recorrendo às instâncias superiores.

O argumento aceito pela Justiça foi que o edital de seleção das agências previa a contratação de quatro empresas para ficar com a conta. “Buscamos manter o princípio da concorrência que estava no edital. Ao excluir uma das agências, houve um desequilíbrio na divisão da verba, como estava proposto na licitação”, diz Lula Costa Pinto, vice-presidente da Propeg, agência baiana que faz parte do Grupo PPG, terceiro maior do País.

Regra. A licitação da conta da Caixa foi feita com base na lei que regula especificamente a contratação de agências de publicidade no governo federal, cujo autor é hoje o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

A norma diz que é preciso contratar mais de uma empresa para a prestação do serviço para manter um clima de competição contínua entre as concorrentes, com o objetivo de oferecer preços mais baixos para a administração pública. “Esse foi o grande aprendizado do mensalão, deixar esse processo mais republicano”, diz Rodrigo Mudrovitsch, advogado da Propeg.

No mensalão, a agência de publicidade DNA Propaganda, de Marcos Valério, foi utilizada como o principal instrumento para o esquema de pagamento de propina a parlamentares.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX