Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Câmara aprova acordo de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos

Projeto aprovado em votação simbólica pelos deputados foi assinado em 2011 entre os ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Barack Obama; proposta segue agora para análise do Senado

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2017 | 21h03

BRASÍLIA – A Câmara dos Deputados aprovou nessa terça-feira, 19, em plenário, projeto que ratifica acordo de céus abertos entre Brasil e Estados Unidos assinado em 2011 entre os ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Barack Obama. Aprovada em votação simbólica, a proposta foi enviada para análise do Senado. 

O acordo estabelece que abertura ou fechamento de novas rotas áreas entre Brasil e Estados Unidos passarão a ser livres, de acordo com a decisão das empresas. Ou seja, não haverá mais o limite atual de 301 voos semanais. As companhias americanas, porém, continuam proibidas de operar voos domésticos no Brasil, e vice-versa. 

++Aéreas mudam estratégia para 'abrir céus' entre Brasil e EUA

O projeto ratificando o acordo aguardava análise pelo plenário da Câmara desde novembro de 2016. Nesta terça-feira, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), se reuniu com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para pedir que a matéria fosse votada. 

Deputados favoráveis ao texto argumentaram que o acordo vai provocar aumento do número de voos e, consequentemente, o barateamento do preço das passagens aéreas entre Brasil e Estados Unidos. "Aumenta o número de empresas e, assim, diminui o preço", disse o líder do PR, José Rocha (BA). 

++Consumidores vão pagar R$ 16 bilhões em subsídios na conta de luz em 2018

Embora o acordo tenha sido firmado por Dilma, deputados do PT criticaram a matéria. "Disseram isso (que diminuiria preço de passagem) quando a Anac autorizou cobrança pelas bagagens, e aumentou o valor, segundo a FGV. Não vamos cair no conto do vigário de novo", disse o deputado Leo de Brito (AC). 

O acordo também divide companhias áreas. Latam e American Airlines são favoráveis à medida. Estudo encomendado pela American apontou, por exemplo, que a oferta de assentos entre Brasil e Estados Unidos deve aumentar 13% em cinco anos. 

++Marcelo Odebrecht chega a SP para cumprir prisão domiciliar

Já a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) estima que o número de passageiros em rotas internacionais com origem ou destino no Brasil poderá aumentar 47% após a ratificação do céus abertos. 

Entre as companhias contrárias ao acordo, a mais vocal tem sido a Azul. Para a direção da  empresa, o acordo só seria favorável se as regras de trabalho para profissionais da aviação brasileiros fosse igual a dos americanos. 

++Henrique Meirelles acena para o aumento dos benefícios do Bolsa Família

Alguns dos artigos do acordo já estavam em vigor, em razão de um memorando de entendimento entre os dois países. Entre eles, os que estabelecem regime de preços livres e criação de novos itinerários e oferta de code-share.

Acordo de code-share é um acordo de cooperação pelo qual duas companhias compartilham o mesmo voo, os mesmos padrões de serviço e mesmos canais de venda. Por meio dele, uma companhia pode transportar passageiros cujos bilhetes tenham sido emitidos por outra. / COLABOROU LETÍCIA FUCUCHIMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.