1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Câmara aprova MP que paga passivos ao FGTS e ao BNDES

- Atualizado: 29 Março 2016 | 00h 27

MP foi editada em dezembro para promover uma engenharia financeira que permitisse quitar quase a metade das chamadas pedaladas fiscais

Governistas alegaram que não se tratava de 'pedalada' e sim de suplementação orçamentária
Governistas alegaram que não se tratava de 'pedalada' e sim de suplementação orçamentária

BRASÍLIA - Em mais uma segunda-feira atípica com sessão plenária cheia, a Câmara dos Deputados aprovou nesta segunda-feira, 28, a Medida Provisória 702, que trata da liberação de crédito extraordinário originariamente de R$ 37,5 bilhões para os ministérios da Saúde, Trabalho e Cidades e remaneja recursos para pagar débitos da União com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A MP foi editada no apagar das luzes em dezembro do ano passado para promover uma engenharia financeira que permitisse quitar quase a metade das chamadas pedaladas fiscais, condenadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O objetivo era colocar em dia as dívidas de R$ 10,9 bilhões da União com o FGTS e R$ 15,1 bilhões com o BNDES. O total pago correspondeu a 47% do total de R$ 57 bilhões de dívidas reconhecidos pela própria equipe econômica. 

A dívida com o FGTS se refere à multa adicional de 10% paga pelas empresas quando demitem sem justa causa os funcionários. O dinheiro deveria ter repassado ao fundo dos trabalhadores mas estava sendo usado para cobrir as perdas de arrecadação desde 2012. O passivo com o BNDES são de subsídios que o Tesouro deveria bancar nos empréstimos que o banco concede ao setor produtivo. Além dessas dívidas, as pedaladas também envolvem atrasos de repasses à Caixa Econômica Federal para os pagamentos de benefícios sociais, como o Bolsa Família, e ao Banco do Brasil, nos financiamentos aos produtores agrícolas com juros mais baixos.

Durante a votação, a oposição ficou em obstrução, contra mais uma "pedalada fiscal", mas o texto-base acabou sendo aprovado por 277 votos, 15 contrários e duas abstenções. O texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado Federal. 

Os governistas alegaram que não se tratava de "pedalada" e sim de suplementação orçamentária para algumas pastas, incluindo ajuda para municípios atingidos por desastres naturais e subsídio a investimentos federais. "Isso é ficção", rebateu a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ). Pela MP, R$ 2,5 bilhões foram destinadas à Saúde, R$ 10,9 bilhões para o Ministério do Trabalho e R$ 8,9 bilhões para Cidades.

Os recursos para o Ministério das Cidades também serviram para quitar outra dívida do Tesouro com o FGTS referente ao Minha Casa Minha Vida. Pelas regras, nos financiamentos das faixas 2 e 3 do programa de habitação popular, o FGTS arca com 82,5% dos subsídios e o Tesouro com os outros 17,5%. Nos últimos anos, porém, o fundo pagou a totalidade dos subsídios para cobrar da União depois. A conta devida pelo governo foi acertada em uma parcela única graças à MP.

Nesta segunda-feira, 385 deputados marcaram presença no plenário no dia em que se completou cinco das 10 sessões de prazo para que a presidente Dilma Rousseff encaminhe sua defesa à comissão especial do impeachment.  

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX