MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Uso da capacidade produtiva da indústria é o maior em três anos

Indústria atinge 68% de capacidade instalada e projeta crescimento para 2018

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2017 | 06h26

BRASÍLIA – A indústria brasileira está se recuperando do tombo. Em novembro, o nível de utilização da capacidade instalada chegou a 68%, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Isso significa mais máquinas e instalações industriais em atividade. É o melhor porcentual dos últimos três anos.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira ressalta que a pesquisa traz outras notícias positivas para o setor. "É possível verificar que a intenção de investimento da indústria brasileira cresce há seis meses consecutivos, o que reforça nossa confiança na economia."

Esse processo de retomada, no entanto, ainda é frágil, diz o diretor executivo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Julio Sérgio Gomes de Almeida. "O que estamos assistindo hoje é uma recuperação cíclica da economia brasileira", disse. "Ela poderia ser mais intensa, forte e robusta se o lado político não fosse tão instável."

A retomada é modesta e deverá continuar assim no ano que vem, segundo avaliou o economista da CNI Marcelo Azevedo. Ele explica que, ao longo de 2017, os diferentes setores da indústria tiveram resultados ora positivos, ora negativos, mas basicamente "andando de lado".

Para 2018, a entidade projeta um crescimento de 3% para a indústria em geral, e de 2,6% para a economia. É a primeira vez desde 2011 que o setor industrial terá um desempenho mais forte do que a média geral.

Esse crescimento deverá ser alimentado pelo crescimento do consumo, ajudado pela inflação controlada e pelos juros baixos. Com isso, é esperada alguma retomada dos investimentos no segundo semestre.

A pesquisa divulgada ontem pela CNI registrou 52,2 pontos para a intenção dos industriais em investir. Resultados acima de 50 indicam uma perspectiva positiva.

"É um dado importante, porque aponta para uma recuperação sustentada da indústria", ressaltou Azevedo. Por outro lado, as dúvidas quanto à aprovação da reforma da Previdência e a consequente deterioração do ambiente macroeconômico poderão afetar negativamente esses planos, reconheceu.

O diretor do Iedi aponta outros fatores que poderão atrapalhar o processo. O mercado de trabalho é um ponto de incerteza, assim como a disponibilidade do crédito. Ele acredita que, dado o ambiente instável, as indústrias estão ainda postergando investimentos de mais fôlego e as famílias, evitando endividar-se demais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.