1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Captação da poupança cai pela 1ª vez em mais de dois anos

Economia & Negócios

07 Maio 2014 | 15h 16

Houve mais saques que depósitos e o saldo da caderneta ficou negativo em R$ 1,2 bi, fato que não ocorria desde fevereiro de 2012

SÃO PAULO - Os brasileiros fizeram mais saques que depósitos na caderneta de poupança no mês de abril. Com isso, o saldo da caderneta ficou negativo em US$ 1,273 bilhões no mês passado - é a primeira vez que isso ocorre desde fevereiro de 2012. Os depósitos no mês passado somaram R$ 122,8 bilhões, enquanto os saques totalizaram R$ 124,1 bilhões. Em abril do ano passado, a captação havia sido positiva em R$ 2,616 bilhões.

O resultado do mês passado inclui ainda R$ 3,347 bilhões de rendimentos creditados nas contas dos poupadores. Por isso, o saldo total da poupança cresceu para R$ 614,985 bilhões, ante R$ 612,911 bilhões em março, apesar do recuo na captação.

O cenário contrasta com 2013, quando a captação da caderneta de poupança foi recorde: R$ 71 bilhões. No ano passado, a aplicação ganhou de muitos fundos de renda fixa, mesmo com o ciclo de alta dos juros básicos (a taxa Selic).

Neste ano, no entanto, o cenário é outro: a volta da Selic aos dois dígitos e a perspectiva de inflação próxima ao teto da meta do governo, de 6,5% ao ano, tiram atratividade da aplicação mais popular do Brasil.

A estimativa é que fundos DI com taxa de administração de até 1% já superem os rendimentos da caderneta. Pelos dados da Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), a taxa média dos fundos referenciados DI em janeiro era de 0,73% (para qualquer cliente). Só para varejo a média era maior: 1,17%. Aplicações atreladas à inflação também vivem uma boa fase e ajudam a tirar o brilho da poupança.

A regra da poupança mudou em 2012. Hoje, quando a taxa Selic está em 8,5% ao ano ou abaixo desse nível, a caderneta rende 70% do juro básico mais a variação da Taxa Referencial (TR). Acima disso - caso do atual momento - a poupança rende 0,5% ao mês ou 6,38% ao ano, fora a TR.