Carlos Silva/Mapa
Carlos Silva/Mapa

'Carne Fraca ano passado foi um terror, este ano está mais leve', diz Maggi

Ministro da Agricultura avaliou que as reações internacionais são normais; com a Operação no ano passado, as exportações de produtos brasileiros chegaram a ficar paradas

Eduardo Rodrigues, enviado especial, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 13h02

CUIABÁ - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, repetiu que o governo passou com mais tranquilidade pela terceira fase da Operação Carne Fraca da Polícia Federal, na semana passada, em comparação com o ano passado, quando as investigações chegaram a paralisar as exportações para diversos países.

"Outros países querem se aproveitar das nossas falhas. A Carne Fraca do ano passado foi um terror; este ano esta mais leve. Nos antecipamos dessa vez e enviamos informações a todos os nossos parceiros comerciais", voltou a dizer o ministro, no evento Gazeta Agro.

+ Investidores ameaçam processar BRF nos EUA

Maggi avaliou que as reações internacionais, que por vezes dificultam o acesso de produtos brasileiros a determinados mercados, são normais. Segundo ele, o trabalho do governo é buscar alternativas para a inserção desses produtos e trabalhar pela abertura de mais mercados.

+ Para ministério, nova fase da Carne Fraca não impacta exportações brasileiras

"Não temos medo de competir com ninguém no mundo, não perdemos para ninguém em competitividade e preço. Mas reações de mercado são normais e temos de entender. Se a China aceitar todos os produtos brasileiros, quebra o pequeno produtor chinês. Temos de procurar alternativas, porque não há como vendermos tudo que queremos", concluiu.

 

Mais conteúdo sobre:
Operação Carne Fraca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.