Divulgação
Divulgação

Casa Branca afirma que isenções de tarifas sobre aço não são salvo-conduto

Em entrevista à rede de TV americana CNN, porta-voz apontou que as isenções são temporárias e que exigem 'algo em troca'

Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 19h56

O diretor do Conselho de Comércio Nacional da Casa Branca, Peter Navarro, afirmou nesta quarta-feira, 28, que a estratégia empregada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para as importações de aço e de alumínio "está funcionando" e defendeu que as isenções dadas a alguns países, como Brasil, Argentina e para os Estados-membros da União Europeia, não foi exagerada porque as isenções não funcionam como um salvo-conduto.

Em entrevista à rede de TV americana CNN, Navarro apontou que as isenções são temporárias e que exigem "algo em troca". Ele exaltou o acordo firmado entre os EUA e a Coreia do Sul na questão do aço e do alumínio e disse que a negociação com Seul foi "histórica", ao argumentar que, com o acordo, os EUA venderiam mais carros para a Coreia do Sul. Além disso, quando perguntado sobre a oposição dentro da Casa Branca às medidas protecionistas do governo, Navarro afirmou que "temos uma atmosfera bastante saudável".

Navarro disse apoiar as ações comerciais de Trump e disse que a imposição de tarifas de até US$ 60 bilhões contra a China são necessárias devido ao roubo de propriedade intelectual por parte de Pequim. "Todo mundo concorda que a China rouba propriedade intelectual", argumentou.

++ Indústria do aço teme ‘inundação’ de importações

As tarifas americanas contra a China aumentaram o risco de uma guerra comercial entre os dois países, à medida que Pequim retaliou ao impor tarifas de US$ 3 bilhões em produtos americanos. O governo dos EUA, no entanto, disse que a medida contra a China seria "a primeira de muitas", enquanto o secretário de Comércio americano, Wilbur Ross, disse que Trump anunciará, em breve, novas medidas contra a China.

Nafta. Questionado sobre o andamento do processo de renegociação do Tratado Norte Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês), Navarro se limitou a dizer que o assunto está sendo tocado pelo representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, que está "trabalhando perto de Trump" para lidar com o acordo com México e Canadá. "Vamos conseguir um bom acordo em relação ao Nafta", comentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.