1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

C&A e Marisa serão investigadas por erotização infantil em propagandas

- Atualizado: 16 Março 2016 | 18h 03

A primeira teria feito propaganda que estimula comportamento sexual irresponsável e a segunda cometeu equívoco em frase estampada numa camiseta

BRASÍLIA - O governo abriu processos administrativos para apurar se campanhas da C&A e da Marisa colocaram em risco a saúde e segurança de crianças ao apresentar conteúdo sexualizado. As empresas foram notificadas e têm dez dias para apresentar as defesas.

No caso da C&A, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), ligado ao Ministério da Justiça, apura publicidade abusiva na campanha "Papai-Mamãe Não!!!". Nos encartes distribuídos nas lojas, havia posições do Kama Sutra. A denúncia, feita pelo Instituto de Defesa do Consumidor, diz que a campanha estimularia a juventude a comportamento sexual irresponsável e denegria valores familiares. 

A C&A argumentou que a campanha não desrespeitou qualquer norma legal nem violou à moral ou à instituição do casamento. A empresa informou que a campanha do dia dos namorados começou a ser veiculada em 29 de maio de 2008 e foi retirada de circulação em 6 de junho do mesmo ano, por determinação do Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária (Conar). Procurada, a empresa disse não poder comentar o caso, uma vez que o assunto ainda está em discussão administrativa.

Veja abaixo um dos vídeos da campanha:

Já as lojas Marisa serão investigadas pela comercialização de camisetas infanto-juvenis com a frase "Great rapers tonight", que significa "Ótimos estupradores hoje à noite". Uma letra "p" subtraída fez com que a frase virasse obscena, em vez de "Great rappers tonight", que inglês vira "ótimos rappers hoje à noite". 

A empresa diz que tomou conhecimento do erro em 29 de outubro de 2013 e tomou providências imediatas para a retirada dos produtos de venda nas lojas físicas e virtual. O produto foi comercializado a R$ 25,99 e depois a R$ 9,99 "em razão da pouca aceitação do público e até a retirada definitiva do produto do mercado" em dois dias. A Marisa permitiu que os consumidores trocassem a camiseta ou tivessem o dinheiro devolvido. Segundo a empresa, foram vendidas 251 camisetas em 390 lojas físicas e no comércio eletrônico.

Falta de um 'p' na palavra 'raper' mudou o sentido do que a marca queria dizer

Falta de um 'p' na palavra 'raper' mudou o sentido do que a marca queria dizer

Outras duas empresas também vão ter que responder ao governo sobre publicidade infantil abusiva. A Igui World precisa explicar a campanha "Salva Vidas" que pode ter incentivado comportamento perigosos à saúde das crianças, além de comportamentos machistas e adultizados. Na peça, três meninos estão brincando em uma piscina e admirando a beleza de duas adolescentes. Um deles finge que está afogando para ganhar um beijo de uma delas.

O órgão de defesa do consumidor também vê indícios de que a campanha da Mattel do jogo Hot Wheels incentivou violência, estresse e outros males ao público infantil. Procurada, a Mattel disse que não vai comentar esse assunto no momento. (Colaborou Raquel Brandão)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX