1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cenário de queda de Dilma é ‘incontornável’, diz economista

- Atualizado: 17 Março 2016 | 16h 05

Sérgio Vale, da MB Associados, acredita que o mais provável é que a presidente caia antes do meio do ano por meio de um processo de impeachment acelerado

O economista da MB Associados, Sérgio Vale

O economista da MB Associados, Sérgio Vale

Após os acontecimentos de quarta-feira, 17, o cenário de queda da presidente Dilma Rousseff está dado "de forma incontornável", segundo o economista Sérgio Vale, da MB Associados. Ele diz que é difícil prever se Dilma cairá no curto prazo, mas acredita que isso deve acontecer antes do meio do ano. "Acho que o mais provável é um processo de impeachment acelerado, como aconteceu com o Collor, algo em torno de um mês", comenta.

Vale afirma que um eventual governo Michel Temer começaria com um momento de euforia, mas a transição até 2018 não será fácil. "Será um governo novo, com uma nova relação com o Congresso, provavelmente com o apoio do PSDB e de alguns partidos para aprovar reformas mínimas, mas ainda assim seria um momento politicamente conturbado até 2018", opina.

Ele lembra que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisa supostas irregularidades na chapa Dilma/Temer na campanha de 2014 e que o Congresso eleito naquele ano ainda tem uma base de esquerda forte.

O economista aponta que, em 1992, a oposição ao então presidente Collor era total dentro do Congresso, o que levou Itamar Franco a assumir com amplo apoio. O mesmo não acontecerá com Temer. Além disso, Itamar conduziu a criação do Plano Real e conseguiu entregar o governo a seu sucessor, em 1995, em condições razoavelmente boas. "Já Temer terá cerca de dois anos e meio para promover um forte ajuste fiscal e um processo de desinflação. Será um trabalho muito duro, muito intenso."

Nesse contexto, Vale estima que o PIB brasileiro deve cair 3,8% este ano e subir 0,6% em 2017 e 1,5% em 2018, caso Dilma realmente caia. Se ela ficar no governo, a contração este ano poderá ser maior do que 5%. "Em qualquer caso, só vamos ter um cenário mais tranquilo mesmo em 2019", afirma o economista da MB.

O analista prevê que a campanha presidencial de 2018 será bastante competitiva, provavelmente com um grande número de candidatos de todos os espectros ideológicos. "É possível que a polarização PT x PSDB, que dominou o cenário político nos últimos anos, perca força".

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX