Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Centrais sindicais fecham avenida Paulista contra a reforma da Previdência

Protesto contou com apoio de entidades estudantis; Pará e Goiás também tiveram manifestações

O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2017 | 18h55

Manifestantes reuniram-se no final da tarde desta terça-feira, 5, na Avenida Paulista (SP) para protestar contra a reforma da Previdência. A concentração do ato aconteceu no vão livre do Masp e o grupo seguiu em direção à rua da Consolação.

O protesto foi convocado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) com participação de outros movimentos, como Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (APEOESP), União da Juventude Socialista (UJS) e União Estadual dos Estudantes (UEE).

De acordo com informações da Polícia Militar de São Paulo, os manifestantes foram dispersados por volta das 17h e não há informações sobre o número total de presentes.

++‘Municípios terão R$ 3 bi se reforma for aprovada’, diz Eliseu Padilha

Mais cedo, cerca de 230 mil pessoas ficaram sem ônibus em Aracaju (SE) por conta de protestos contra a reforma da Previdência organizados pelas centrais sindicais. Além dos ônibus, agências bancárias também foram fechadas e o comércio funcionou parcialmente.

A terça-feira também contou com protestos em outras cidades como Belo Horizonte (MG), Belém (PA), Santa Catarina (SC) e Goiânia (GO).

++ Temer diz que, se não tiver votos, não tem sentido colocar reforma da Previdência em votação

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.