Chefe do Fed defende pacote de emergência nos EUA

Ben Bernanke diz que apóia introdução de medidas para estimular economia.

BBC Brasil, BBC

17 Janeiro 2008 | 17h30

O presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, apoiou a introdução de medidas de emergência para estimular a economia e para evitar a recessão no país. Em sua reunião com o comitê orçamentário do Congresso americano nesta quarta-feira, Bernanke deu seu apoio à medidas como cortes de impostos, mas alertou para a necessidade de um plano de ação temporária. "Para ser útil, qualquer pacote de estímulo fiscal deveria ser implementado rapidamente e estruturado de tal forma que seu efeito sobre gastos agregados fosse sentido possivelmente nos próximos 12 meses", disse ele. Bernanke também indicou que o Fed poderia cortar a taxa de juros, "se for necessário". O Fed já cortou a taxa de juros três vezes desde o meio do ano. O corte mais recente foi em dezembro e, atualmente, a taxa de juros nos Estados Unidos está em 4,25%. Recessão Bernanke disse que não espera uma recessão no país, mas que o crescimento econômico dos Estados Unidos está desacelerando e que outros fatores geram preocupação. Ele afirmou que o Fed está pronto para tomar providências que promovam o crescimento econômico e para garantir de forma adequada a economia americana contra riscos. Segundo o correspondente da BBC em Washington Daniel Lak a economia americana enfrenta um verdadeiro desafio em 2008. A queda nos preços dos imóveis deve continuar e um número desproporcional de famílias das classes média e trabalhadora acabaram perderam seus imóveis por inadimplência. O desemprego no país está aumentando e os preços mais altos dos alimentos e da energia estão fazendo com que os índices de inflação do país aumentem. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.