Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

China revisa para baixo o PIB de 2014 e calcula crescimento de 7,3%

De acordo com o órgão oficial, o número pode ser revisado uma vez mais, quando for divulgado o resultado final em janeiro de 2016

O Estado de S. Paulo

07 Setembro 2015 | 09h57

PEQUIM - A China reduziu seu crescimento econômico do ano passado, de 7,4% antes calculados para 7,3%, o que pode gerar mais temores sobre a situação na segunda economia mundial. O Escritório de Estatísticas da China informou que o Produto Interno Bruto (PIB) para o ano passado totalizou 63,614 trilhões de yuans (cerca de US$ 10 trilhões), 32,4 bilhões de yuans abaixo da estimativa divulgada em janeiro desde ano. De acordo com o órgão oficial, o número pode ser revisado uma vez mais, quando for divulgado o resultado final em janeiro de 2016.

A diferença representa menos de 0,1% da economia geral da China. Ainda assim, o novo dado sugere que o país lutou no ano passado para tentar atingir a meta oficial de Pequim, com mais dificuldade do que antes apontado. A meta de crescimento do ano passado era de "cerca de 7,5%".

Para este ano, a meta é de "cerca de 7%", o que já deve ser o ritmo mais lento em 25 anos. A China atingiu esse ritmo no primeiro semestre, mas indicadores divulgados em agosto sugerem uma desaceleração maior, o que contribuiu para a queda nos mercados globais nas últimas semanas.

Autoridades chinesas buscam garantir ao público interno e a investidores globais que a economia ainda está em boa situação. Nesta segunda-feira, o principal órgão de planejamento econômico disse que o país está no caminho para atender à meta de crescimento anual do governo, após uma série de medidas de apoio do governo. A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma disse em comunicado que indicadores que vão de consumo de eletricidade ao fretamento de trens até os preços das residências mostram que a economia nacional está nesse caminho.

No fim de semana, o presidente do Banco do Povo da China (PBOC, na sigla em inglês), Zhou Xiaochuan, disse que "a correção no mercado de ações está quase concluída" e que a moeda chinesa está se estabilizando, após a desvalorização do mês passado. No domingo, a Comissão de Regulação das Ações da China afirmou que os empréstimos estatais para a compra de ações continuarão a estabilizar o mercado, quando flutuações drásticas levaram a riscos sistêmicos. O principal regulador do mercado de ações do país informou também que estuda a criação do que é conhecido como um sistema de circuit breaker, para conter movimentos muito bruscos nos negócios.

A China frequentemente revisa seus dados do PIB. No ano passado, ela elevou o cálculo para a produção econômica de 2013, baseando-se em novos números. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
China PIB crescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.