1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Chineses ricos começam a tirar dinheiro do país

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 09h 25

Com altos e baixos da economia, cidadãos pedem a parentes ou amigos que transportem para fora da China até US$ 50 mil por pessoa

Sede do BC chinês: governo tem recorrido às reservas para sustentar a moeda
Sede do BC chinês: governo tem recorrido às reservas para sustentar a moeda

HONG KONG - À medida que a economia chinesa tropeça, as famílias ricas cada vez mais começam a transferir enormes somas de dinheiro para fora do país, preocupadas com uma forte desvalorização do yuan e das suas economias.

Para contornar os controles mantidos pelo país, os indivíduos pedem a amigos ou familiares para transportarem ou transferirem US$ 50 mil por pessoa, limite legal anual estabelecido na China. Um grupo de 100 pessoas pode transferir US$ 5 milhões para o exterior.

A prática é chamada “smurfing”, nome dos personagens de quadrinhos azuis, parecidos com um cogumelo, e faz parte de um êxodo de capital que levanta dúvidas quanto às perspectivas econômicas da China e tem agitado os mercados globais. No ano passado, empresas e indivíduos enviaram quase US$ 1 trilhão da China para fora do país.

Alguns métodos são perfeitamente legais, como o investimento em imóveis em qualquer lugar, a compra de empresas no exterior e pagamento de dívidas contraídas em dólares. Outros, como o smurfing, são mais dúbios e, em alguns casos, totalmente ilegais. No ano passado, as autoridades alfandegárias prenderam uma mulher que tentava deixar o continente com US$ 250 mil escondidos no peito, coxas e dentro dos sapatos.

Se o governo não conseguir impedir os cidadãos de procurarem uma saída financeira, as perspectivas da China podem se tornar sombrias. O volume de saídas é uma força desestabilizadora numa economia em desaceleração, pois ameaça corroer a confiança e afeta o sistema bancário, que vem lutando com um excesso de empréstimos que já dura uma década.

A fuga de capital vem pressionando o yuan. O governo, para evitar uma queda livre, tem interferido nos mercados e recorrido às suas enormes reservas para sustentar a moeda. Mas uma forte redução dessas reservas pode provocar novas fugas e criar turbulência nos mercados.

A China também vem tentando frear as saídas aumentando o controle sobre os vínculos do país com o sistema financeiro global. O governo começou a adotar medidas drásticas contra o uso de cartões bancários para compra de apólices de seguro de vida no exterior.

Mas os limites impostos geram preocupação de que o governo vem recuando nas reformas que o país precisa fazer para manter a economia crescendo nas próximas décadas. E a pressão a curto prazo também exige uma séria atenção, diante das ondas de choque globais.

“A moeda se tornou uma real ameaça a curto prazo para a estabilidade financeira”, disse Charlene Chu, economista da Autonomous Research.

Enfrentar esses problemas é algo muito novo para a China. Durante anos o país absorveu grande parte do investimento do mundo, ao mesmo tempo que a economia crescia a taxas anuais de dois dígitos. Um sistema financeiro muito fechado mantinha os próprios recursos da China presos no país.

Agora, com a desaceleração do crescimento, o dinheiro vem jorrando para fora. E o controle das saídas pelo governo não é mais tão rígido porque, nos últimos anos, algumas restrições monetárias foram eliminadas com o propósito de abrir a economia. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX