1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Citi venderá operações de varejo no Brasil, na Argentina e na Colômbia

- Atualizado: 19 Fevereiro 2016 | 08h 16

Decisão do 3º maior banco dos EUA de sair de países onde não possui presença relevante já estava no planejamento estratégico da instituição em 2014; no País, banco continuará apenas com os serviços voltados para empresas

Com ativos de R$ 70 bilhões no Brasil, Citibank tem cerca de 5 mil funcionários em todas as operações. 

Com ativos de R$ 70 bilhões no Brasil, Citibank tem cerca de 5 mil funcionários em todas as operações. 

O Citigroup decidiu colocar à venda as suas operações de varejo no Brasil, na Argentina e na Colômbia. Segundo apurou o ‘Broadcast’, serviço em tempo real da ‘Agência Estado’, a operação do Citi no México, na Venezuela e sua participação no Banco do Chile não estariam nesse pacote.

Os executivos do banco foram formalmente comunicados da decisão da matriz em uma reunião realizada ontem. Procurado, o Citi não comentou o assunto.

A saída de países onde o banco não possui presença relevante já estava no planejamento estratégico da instituição, apresentado ao mercado no fim de 2014. Segundo uma fonte, no ano passado o Citi sondou o mercado sobre a venda de sua área voltada para os consumidores no Brasil, principalmente na época em que o HSBC negociava a venda de sua subsidiária brasileira. A operação do Citi nesses países tem baixa escala e o segmento do varejo não está entre os que oferecem retorno. Os últimos dados do Banco Central, de dezembro de 2014, mostram o Citibank na 11ª posição entre as maiores instituições do País em volume de ativos.

Os comentários no mercado são de que o Itaú e o Santander seriam as únicas instituições no Brasil com capacidade financeira e sinergia para absorver a rede de agências do Citi, uma vez que o Bradesco ainda tem de digerir a aquisição do HSBC. Conversas entre o Citi e o Itaú já teriam ocorrido quando o banco norte-americano ainda tinha em seu comando Gustavo Marin, que deixou o Citi em 2012.

Potenciais interessados. Profissionais dizem, no entanto, que a demora para aprovação da aquisição do HSBC pelo Bradesco no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), sob alegação de concentração bancária, pode fortalecer a hipótese de a rede de agências do Citi ser oferecida a alguma instituição estrangeira. “Um chinês, árabe ou coreano, que não tenha medo da exposição ao Brasil”, afirmou uma fonte do mercado.

Com a decisão, o Citi oferecerá no País apenas os serviços corporativos, voltados às empresas. O banco já colocou à venda, desde o ano passado, sua participação na adquirente Elavon, que opera as “maquininhas” de cartões. Entre os interessados nessa aquisição estaria o Banco do Brasil e o Bradesco, mas o negócio, no momento, está em compasso de espera.

O desejo do Citi de se desfazer da fatia na Elavon é antigo. O banco perdeu o interesse na operação em meio à demora do lançamento da empresa no Brasil, que ainda enfrentou problemas operacionais, fazendo com que seus resultados ficassem abaixo do esperado.

Além da área de varejo, o banco tem forte atuação na área de “corporate”, principalmente no segmento premium de commercial banking. O banco é uma das instituições que trabalha na busca de um comprador da BR Distribuidora, da Petrobrás.

Em 2014, o terceiro maior banco dos Estados Unidos anunciou a interrupção das operações de varejo na Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Nicarágua, Panamá e Peru. O Citi está presente em 101 países como banco comercial. No Brasil, iniciou suas operações em 1915 e foi o maior interlocutor do País na renegociação de sua dívida externa com bancos norte-americanos e com o Fundo Monetário Internacional (FMI), após o calote na década de 1980.

Os ativos do Citi no Brasil somam R$ 70 bilhões e o banco tem atualmente, em todas as suas operações, cerca de 5 mil funcionários.

Só com terremoto. Em entrevista ao Broadcast em novembro do ano passado, o presidente do banco, Hélio Magalhães, disse que o Citi não cogitava tirar os pés do País e que, se algum banco o procurasse para compra receberia um não. Mas admitiu que o Citi buscava um perfil mais conservador e seletivo para enfrentar os percalços da economia, depois de ter repaginado sua operação, priorizando a alta renda e multinacionais. “Conhecemos esse País. Temos clientes que estão conosco há quase 100 anos. Esse valor é muito grande para nós. Não tem preço essa operação a não ser que o Brasil não tivesse futuro e não é o caso. Só sairíamos daqui se acontecesse um terremoto, mas não vai acontecer. Sabemos disso”, disse ele na ocasião.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX