1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Clima de baixa confiança no comércio e na indústria

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2014 | 02h 04

A confiança entre os empresários da indústria e do comércio continua sua marcha descendente.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI), apurado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), divulgado anteontem, recuou 3,9%, para 87,2 pontos, o mais baixo nível desde maio de 2009.

O Índice de Confiança dos Empresários do Comércio (Icec), apurado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), por sua vez, recuou 2,3% em junho em relação a maio e, em relação a junho do ano passado, o recuo foi de 12%, o mais intenso já registrado na pesquisa comparada.

Aloisio Campelo, da FGV, estimava que as greves de diferentes categorias de trabalhadores, aliadas às paradas programadas das empresas por causa do menor número de dias úteis no mês, em razão dos jogos da Copa do Mundo, tiveram impacto expressivo nas atividades industriais. Esses fatores se somaram a outros, estruturais, que já vinham tendo papel negativo, como demanda desaquecida, juros elevados e crédito mais caro. Entre as categorias de uso, as de bens duráveis e de bens de capital são as mais pessimistas: "Saímos de um cenário de confiança fraca para confiança muito mais fraca, baixa, um nível de pessimismo de difícil reversão", disse ele ao jornal Valor. Acrescentou que em julho é possível que diminua "a intensidade da queda de confiança", mas não o sinal negativo desse indicador.

Na área do comércio, e em nível nacional, dos nove itens pesquisados pelo Icec, seis chegaram ao menor nível desde o início da apuração em 2011. Na avaliação das condições correntes, a queda foi de -3,3% e a percepção com relação às condições econômicas atuais caiu -6,8%. Ou seja, a situação do momento inspira pouca confiança e o futuro próximo também. Mais de 70% dos empresários do comércio avaliam que as condições econômicas pioraram nos últimos 12 meses. Em razão disso, expectativas e intenções de investimentos também estão em queda.

O quadro é de percepções negativas que se autoalimentam entre os dois setores: o comércio não vê boas perspectivas à frente e reduz suas encomendas à indústria, que, por sua vez, não se sente animada a aumentar a produção e o nível de emprego.

Só é difícil de entender por que o Índice de Confiança do Consumidor, também apurado pela FGV, tenha subido 1% em junho, depois de cair 3,3% em maio e 0,8% em abril. Euforia da Copa, talvez?

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo