Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Com aumento de impostos, economistas voltam a elevar projeção para inflação

Expectativa para o IPCA foi elevada pela segunda semana seguida, para 3,40% no fim de 2017

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2017 | 08h56

BRASÍLIA - Ainda sob a influência do aumento da tributação sobre combustíveis, os economistas do mercado financeiro elevaram suas projeções para o IPCA - o índice oficial de inflação - neste ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo BC, mostra que a mediana para o IPCA em 2017 foi de 3,33% para 3,40%. Há um mês, estava em 3,46%. Já a projeção para o índice de 2018 seguiu em 4,20%, ante 4,25% de quatro semanas atrás.

Na prática, as projeções de mercado divulgadas hoje no Focus indicam que a expectativa é que a inflação fique abaixo do centro da meta, de 4,5%, em 2017 e 2018. A margem de tolerância para estes anos é de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 3,0% e 6,0%).

No dia 20, o governo anunciou aumento da alíquota de PIS/Cofins sobre a gasolina, o diesel e o etanol. Parte deste reajuste levou ao aumento das projeções para o IPCA na semana passada, mas o impacto continuou no boletim desta semana. Na última sexta-feira, porém, o governo informou a respeito da redução do reajuste para o etanol, o que pode trazer impactos na próxima divulgação do Focus.

+ Governo reduz reajuste de imposto sobre o etanol

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2017 seguiu em 3,10%. Para 2018, a estimativa permaneceu em 4,19%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,48% e 3,98%, respectivamente.

Já a inflação suavizada para os próximos 12 meses foi de 4,40% para 4,52% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,46%.

Entre os índices mensais mais próximos, a estimativa para julho de 2017 seguiu em 0,15%. Um mês antes, estava em 0,18%. No caso de agosto, a previsão de inflação do Focus foi de 0,25% para 0,30%, ante 0,25% de quatro semanas atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.