1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Com gasolina mais cara, consumo de etanol cresce 37,5% em 2015

- Atualizado: 02 Março 2016 | 13h 31

Álcool é alternativa para o consumidor frente à elevação do preço da gasolina; Petrobrás deixou de produzir 3 bilhões de litros

Preço do etanol é mais competitivo em relação ao da gasolina

Preço do etanol é mais competitivo em relação ao da gasolina

RIO - As vendas de gasolina no País se retraíram 9,2% em 2015 ante o ano anterior, de acordo com o balanço anual apresentado nesta manhã pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Acompanhando o fraco desempenho da economia, o consumo de diesel também recuou, 4,7%. Apenas o consumo de etanol cresceu no País, na faixa de 37,5%, como alternativa para o consumidor frente à elevação do preço dos combustíveis.

"O encolhimento não é tão ruim assim. Se fizer comparação com o emplacamento de veículos, que caiu mais de 27%, vemos que não foi tão ruim", ponderou Rubens Freitas, superintendente adjunto de Abastecimento da agência reguladora. Segundo ele, o setor tem rápida resposta diante da retomada do crescimento e da distribuição de renda. "Qualquer R$ 200 que coloquemos na renda das classes C e D, isso vai se repercutir na demanda por combustíveis", avaliou.

De acordo com os dados da ANP, a produção de gasolina no País caiu no último ano, como reação da Petrobrás à queda na demanda. Assim, houve um déficit de 30 mil barris por dia na balança comercial do combustível. Em volumes, houve uma alta de 1% no total importado, associada a uma menor produção da Petrobrás.

"A Petrobrás deixou de produzir o equivalente a 3 bilhões de litros. Ela vinha ao longo dos últimos anos aumentando sua produção de gasolina A. No ano passado, optou por tirar o pé do acelerador na produção de gasolina", afirmou Freitas.

Com a menor produção da estatal, a BR Distribuidora, subsidiária de revenda de combustíveis no varejo, perdeu participação no mercado doméstico. Em 2015, a empresa teve cerca de 28% de participação do mercado, liderando as vendas. Em seguida, aparecem Ipiranga e Raízen, ligada à Shell, que apresentaram oscilações positivas entre 25% e 20% nas vendas de gasolina, respectivamente.

Para Freitas, a elevação das importações, para compensar a interrupção dos projetos de construção de novas refinarias, vai aumentar a pressão sobre a logística de terminais portuários e rede de distribuição de gás. "Em dez anos, com crescimento econômico e distribuição de renda, podemos ter até 400 mil barris por dia de importação de gasolina. Não temos nenhum projeto de refinaria. À medida que vão aumentando as importações, temos que ter olhar mais cuidadoso com a infraestrutura", pontuou.

Diesel e etanol. As vendas de Diesel caíram 4,7% em 2015, segundo Rubens Freitas, devido à queda na atividade econômica. Como a maior parte da produção brasileira é transportada em caminhões, o consumo do combustível reflete diretamente a retração do Produto Interno Bruto (PIB). No último ano, houve ampliação da produção em pelo menos 2 bilhões de litros, com a operação da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. Em compensação, houve redução da importação de 4 bilhões de litros.

Para o etanol, a avaliação é de que a alta de 37% reflete a opção do consumidor pela substituição dos combustíveis, diante da alta de preços e tributos na gasolina. "Estamos no limite da nossa produção de etanol. Acima disso, só com esforço grande e conjunto de fatores. Ainda podemos trazer mais etanol sem investimentos, mas isso sacrificaria os compromissos de exportação do País, e em termos de rentabilidade, não seria interessante para o fornecedor", avalia Rubens Freitas.

Também foram registradas quedas no consumo de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), de 1,2%, de Querosene de Aviação (QAV), de 1,5%, e de Óleo Combustível (20,4%). "Térmicas representaram, em 2014, 50% do consumo de óleo combustível. Mas em 2015, as térmicas foram menos acionadas. Não há por que se assustar com a queda. Quanto menos óleo for queimado, melhor para o meio ambiente", pontuou Freitas.

Segundo ele, a previsão é de que em 2017 seja concluída a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do Comperj, única obra mantida no cronograma da Petrobrás para o complexo - e paralisada por divergências com o consórcio. "Pode ser que isso reduza nossa dependência externa", avalia. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX