1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Com juro de 293% ao ano, cheque especial registra em fevereiro a maior taxa desde 1994

- Atualizado: 29 Março 2016 | 12h 05

A modalidade mais cara, porém, segue sendo o juro rotativo do cartão de crédito, que cobra 447,5% ao ano do consumidor, segundo dados do Banco Central

Endividamento das famílias ficou em 44,6% em janeiro

Endividamento das famílias ficou em 44,6% em janeiro

BRASÍLIA - Ter dívidas ficou mais caro em fevereiro. A taxa de juros cobrada no cheque especial avançou para 293,3% ao ano em fevereiro, o mesmo patamar de juros cobrados em julho de 1994. A taxa média de juros no crédito livre subiu para 50,6% ao ano no período. Para a pessoa física, a taxa média passou para 68% ao ano e para pessoa jurídica, para 31,9% ao ano. 

Apesar de caro, o cheque especial não ficou na liderança de taxas de juros. Segundo dados do Banco Central, o juro do rotativo do cartão de crédito é o mais elevado, tendo atingido a marca de 447,5% ao ano em fevereiro ante 439,5% de janeiro, uma alta de 8 pontos porcentuais na margem. Manteve-se, portanto, como a mais alta da série histórica iniciada em março de 2011. Parcelar a dívida do cartão também não é boa opção. No caso do parcelado, o juro subiu para 145,6% ao ano em fevereiro. 

Para veículos, os juros subiram para 27,6% ao ano em fevereiro. A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas, acelerou de 31,4% ao ano em janeiro para 31,8% ao ano em fevereiro. 

Famílias. O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro passou de 45,2% em novembro para 44,3% em dezembro e para 44,6% em janeiro. A instituição começou a fazer o levantamento em janeiro de 2005 e o retrato sobre o nível de dívidas brasileiras passou a ser incorporada na nota de crédito pelo BC em agosto de 2015. Os dados de dezembro do ano passado e de janeiro deste ano foram divulgados apenas hoje.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses e incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (PNAD) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento apresentou uma baixa em dezembro, ficando em 25,6% da renda anual. Em novembro, estava em 26,3%. Em janeiro, no entanto, apresentou uma eleve elevação para 25,8%.

Ainda segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) caiu um pouco de novembro (21,8%) para dezembro (20,9%). Em janeiro, ficou em 21,8%. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda passou de 19,3% em novembro para 18,5% em dezembro e 19,4% em janeiro. 

Calote. Já a taxa de inadimplência no crédito livre ficou estável em 5,5% em fevereiro. Em fevereiro de 2015, a taxa havia encerrado em 4,4%. Para a pessoa física, a taxa de inadimplência também ficou estável em 6,2% na comparação mensal. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX