1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Com salário atrasado, servidora do Rio pede 'compreensão' a banco e isenção de juros

- Atualizado: 11 Março 2016 | 18h 42

Funcionária pública fez apelo nas redes sociais após atrasar o pagamento da fatura do cartão de crédito; post teve mais de 13 mil compartilhamentos e inspirou outros servidores

Gabriella usou argumentos de Pezão para justificar atraso em fatura

Gabriella usou argumentos de Pezão para justificar atraso em fatura

SÃO PAULO - O apelo de uma servidora do Estado do Rio de Janeiro ao Itaú Unibanco teve grande repercussão nas redes sociais e vem inspirando outros funcionários públicos. Na tarde desta quinta-feira, 10, a professora Gabriella Costa Silva postou no Facebook uma inusitada troca de mensagens com o banco, na qual pedia "compreensão" pelo atraso no pagamento da fatura do cartão de crédito. A postagem fez sucesso e já contabilizava 7,7 mil curtidas e 13 mil compartilhamentos nesta sexta-feira.

A mensagem faz referência a um comunicado do governador do Estado, Luiz Fernando Pezão (PMDB), que atrasou o pagamento de fevereiro dos servidores e também pediu "compreensão" às pessoas que não receberam os salários na data prevista. "Não esperava essa repercussão. Minha intenção foi apenas usar o mesmo argumento do governador", diz Gabriella. 

De acordo com a conversa exibida pela professora, o banco informou que não seria possível isentá-la da cobrança de juros. Depois, no fim da noite, Gabriella disse que recebeu uma ligação do Itaú e a sua situação foi, enfim, compreendida. Ela afirma que vai poder pagar a fatura sem juros ou encargos. Procurado, o banco informou que "por dever de confidencialidade aos nossos clientes", não poderia comentar o caso.  

"Informamos que estamos sempre disponíveis para analisar as solicitações dos nossos clientes, pois é nossa prática auxiliá-los a manterem seus pagamentos em dia. Essas iniciativas vão desde orientação financeira para o cliente lidar com situações imprevistas, produtos que permitem reorganizar as finanças até a renegociação em caso de dificuldades. Para isso, o banco oferece diversos canais de atendimento, incluindo telefone, internet, caixas eletrônicos ou agências", disse o Itaú Unibanco em nota.

A repercussão da postagem de Gabriella fez com que outros servidores do Estado do Rio de Janeiro também se manifestassem nas redes sociais, pedindo "compreensão" a outras instituições financeiras e empresas (veja imagem abaixo)

Atrasos. Em dezembro passado, Pezão alterou a data de pagamento dos servidores do Rio do segundo para o sétimo dia útil da cada mês. E nesta semana mudou novamente o calendário das remunerações, dessa vez para o décimo dia útil. O governo estadual atribuiu o atraso "ao agravamento da crise financeira fluminense, provocada pelo aprofundamento da desaceleração da economia brasileira, recuo nos investimentos da Petrobrás e queda nos preços do petróleo".

A Secretaria de Estado de Fazenda informou que o pagamento da folha de fevereiro dos servidores ativos, inativos e pensionistas será feito ao longo desta sexta-feira, "inclusive após o término do expediente bancário". 

"Como fica a vida do servidor? As contas do servidor? Nós não estamos tendo prioridade", afirma Gabriella, que aderiu à greve dos professores do Estado do Rio de Janeiro. A paralisação da categoria teve início no dia 2 de março e é por tempo indeterminado. Segundo ela, o 13º salário de 2015 também ainda não foi integralmente pago, já que o valor foi parcelado até abril. "Com essas mudanças de calendário, nem sabemos se vamos receber a parcela de maio do 13º."   

Crise. Para enfrentar a queda na arrecadação, o governador do Rio encaminhou à Assembleia Legislativa, no início de fevereiro, um projeto de Lei de Responsabilidade Fiscal do Estado, como uma série de medidas impopulares, como a que aumenta a contribuição de servidores para a previdência. 

As propostas encontram resistência inclusive entre os partidos aliados e já motivaram vários protestos de servidores. Também geraram conflito entre o governo estadual e o Judiciário e Legislativo, que teriam de arcar com mais gastos. 

Nesta terça-feira, o governo sofreu uma derrota: pressionado pelos líderes partidários, teve de retirar o projeto da pauta. A proposta da nova lei será desmembrada e divida em temas, segundo o governo. Com isso, a discussão e votação das novas regras ficam sem data definida. O governo alega que a nova lei é fundamental para organizar as finanças e implicaria em uma redução de gastos do Executivo de R$ 13,5 bilhões ao ano. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX