1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Com vendas fracas, montadoras vão esticar feriado de carnaval

- Atualizado: 01 Fevereiro 2016 | 22h 11

Vendas de veículos caíram quase 40% em janeiro; empresas suspendem produção e demitem funcionários

Venda de veículos novos caiu quase 40% em janeiro

Venda de veículos novos caiu quase 40% em janeiro

Com queda de quase 40% nas vendas em janeiro na comparação com o mesmo mês de 2015 e sem perspectivas de melhoras no mercado, as montadoras decidiram esticar o feriado do carnaval.

Até agora, seis grandes montadoras - Ford, General Motors, MAN, Mercedes-Benz, Volkswagen e Volvo - anunciaram paralisações de uma semana ou mais a partir de segunda-feira. A Fiat já deu férias coletivas para a maior parte dos funcionários em Betim (MG), de 27 de fevereiro a 15 de março.

A Ford vai parar as máquinas na fábrica de Camaçari (BA) no dia 8 e só retorna dia 29. A GM suspenderá a produção nas unidades de Gravataí (RS) e Joinville (SC) por três semanas, enquanto na Volvo, de Curitiba, o trabalho será suspenso por quase um mês na linha de ônibus e por três semanas na de caminhões (na semana do carnaval e depois entre os dias 22 de fevereiro e 7 de março).

Volkswagen, Mercedes-Benz e MAN Latin America acumularam dias de paradas por causa da redução de jornada, como previsto no Programa de Proteção ao Emprego (PPE) e também dispensam os funcionários na próxima semana nas unidades de São Bernardo do Campo (SP) e Resende (RJ).

O mesmo procedimento ocorrerá na fábrica da Volks em São José dos Pinhais (PR) e na da Mercedes em Juiz de Fora (MG) - nesse caso para compensação futura. As informações são das empresas e dos sindicatos dos metalúrgicos.

Além da falta de demanda, a Volkswagen enfrenta um problema extra. As fábricas de São Bernardo e de Taubaté ficaram paradas nesta segunda por falta de bancos para produção e vão manter a paralisação na manhã de terça.

Segundo os sindicatos, a fornecedora de estrutura para bancos Keiper não está entregando produtos e os estoques acabaram. Nenhum representante da Keiper foi localizado para comentar o problema, que já ocorreu em diversas vezes no ano passado.

A GM informou nesta segunda-feira, 1º, ter demitido 517 de um total de 798 funcionários que estavam em lay-off há cinco meses e deveriam retornar ao trabalho nesta semana. A empresa avalia ainda a situação de 68 trabalhadores do grupo que estão afastados por problemas de saúde ou por outras razões. Desse grupo, 168 entraram para um programa de demissão voluntária e 48 voltaram ao trabalho.

Mercado fraco. As vendas de veículos em janeiro somaram 155,3 mil unidades, 38,8% menos que em igual mês de 2015 e 31,8% inferior aos resultados de dezembro. Foi o pior resultado mensal desde fevereiro de 2007, quando foram comercializados 146,7 mil unidades. Também foi o pior janeiro em nove anos. Só o segmento de caminhões caiu 43,8% em um ano.

Segundo o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Alarico Assumpção Júnior, o ano começou “sem expectativa de crescimento, porém, os resultados de janeiro não devem ser balizadores para as projeções para 2016”.

A Fenabrave prevê queda de 5,2% nas vendas em 2016, enquanto a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos (Anfavea) trabalha com recuo de 7,5%, para 2,4 milhões de veículos. Em 2015, as vendas caíram 26,6% em relação a 2014.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX