Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia » Comentário de Tombini satisfaz governo e PT

Economia & Negócios

Estadão

Comentário de Tombini satisfaz governo e PT

Planalto trabalha com alta de 0,25 ponto porcentual nos juros; para senador petista, Selic mais alta trará mais desgaste para o governo

0

Vera Rosa, Ricardo Brito,
O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2016 | 22h09

BRASÍLIA - O movimento feito nesta terça-feira, 19, pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, agradou ao Palácio do Planalto. A avaliação de auxiliares da presidente Dilma Rousseff foi a de que Tombini fez um aceno para a “ancoragem” do mercado ao divulgar uma nota alertando paras mudanças “significativas” das projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), com previsão de retração de 3,5% neste ano, no Brasil.

A expectativa do governo é que essa reviravolta no cenário sirva como argumento para o Comitê de Política Monetária (Copom) decidir aumentar “ligeiramente” a taxa básica de juros, em 0,25 ponto porcentual, ou mesmo mantê-la no atual patamar de 14,25% ao ano.

Até esta terça-feira, a maior parte do mercado financeiro apostava em um aumento de 0,5 ponto porcentual na taxa Selic. Há muitas dúvidas no Planalto sobre a eficácia da alta de juros no combate à inflação nesse momento de crise, com a economia estagnada, aumento do desemprego e queda no grau de capacidade produtiva da indústria.

No PT, o comentário inédito de Tombini, feito após a divulgação do relatório do FMI, foi visto como um sinal de que pode haver uma reorientação da política monetária. “A nota divulgada por ele não foi qualquer coisa”, afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “O FMI disse que o Brasil estará à frente da maior recessão que o País já encarou. É um momento dramático e nós estamos encarando esta decisão do Banco Central sobre os juros como decisiva para os rumos de 2016.”

Derrotas. Em conversas reservadas, dirigentes do PT afirmam que, se os juros subirem com esse quadro de desemprego, “pibinho” e perspectivas sombrias para a economia, não haverá mais investimentos e o partido sofrerá derrotas acachapantes nas eleições municipais deste ano, comprometendo ainda mais o projeto de poder para 2018. “O desgaste para o governo, com juros ainda mais altos, será tremendo”, resumiu Lindbergh. “Temos de olhar para as empresas e os trabalhadores, e não só para o mercado”.

Uma conversa reservada entre Dilma e Tombini, na segunda-feira, chamou a atenção dos agentes econômicos, mas os comentários sobre “interferência” do governo no Banco Central, às vésperas da reunião do Copom, foram minimizados no Planalto. Um auxiliar de Dilma disse não haver “ninguém melhor” do que o presidente do BC para passar o quadro da política monetária para ela e enumerou as adversidades deste início de ano. Na lista dos problemas estão a queda na bolsa chinesa, um importante parceiro comercial do Brasil; barril do petróleo com cotação abaixo de US$ 30, e, ainda, a elevação, em dezembro, dos juros pelo Federal Reserve (BC americano) em 0,25 ponto porcentual, o primeiro aumento desde 2006.

Na sexta-feira, em café da manhã com jornalistas, Dilma assinalou a linha de atuação que espera do BC. Para ela, embora autônomo, o BC não é independente e deve, sim, prestar contas. “Para o meu governo, o Banco Central não é uma instituição independente. Independente é a relação, pela lei brasileira, entre o Executivo, o Legislativo e Judiciário”, afirmou a presidente. “O BC é uma instituição autônoma. Tem autonomia para fazer sua política. Mas isso não significa que não preste contas a todos os órgãos e deve prestar contas, inclusive ao Congresso”. / COLABOROU DAIENE CARDOSO

Comentários