1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Comércio apela à ‘Black Wednesday’

- Atualizado: 11 Março 2016 | 09h 33

Lojas virtuais preparam megaliquidação

Na tentativa de se livrar de estoques indesejados e impulsionar as vendas, o comércio eletrônico se mobiliza para fazer uma espécie de “Black Friday” fora de época. Na semana que vem, duas plataformas de comércio virtual, o Buscapé e o Mercado Livre, preparam megaliquidações com descontos anunciados de até 70% em itens como eletrônicos, eletrodomésticos, artigos de informática e decoração, entre outros.

O mote é o dia do consumidor, comemorado em 15 de março. Mas, na prática, a intenção é dar um empurrão nos negócios que andam devagar por causa da crise. Ontem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que as vendas de janeiro caíram 10,3% ante o mesmo mês de 2015. Foi o pior resultado para o mês nessa base de comparação desde 2001.

“Março é um dos meses mais fracos para vendas do 1º semestre porque o consumidor ainda está endividado com as compras de Natal e as liquidações de início de ano”, afirma André Ricardo Dias, diretor do E-bit/Buscapé.

A partir da primeira hora da quarta-feira, dia 16, até a meia-noite, o Buscapé coordena a megaliquidação com 650 lojas participantes, entre as quais estão grandes varejistas do comércio virtual, como B2W e CNova, por exemplo.

Dias diz que no evento deste ano o número de lojas participantes é maior e o desconto também: gira em torno de 50%. Segundo ele, o movimento mais agressivo ocorre, porque o volume de estoque em promoção é maior.

Já o Mercado Livre, que prepara uma liquidação para durar uma semana – entre os dias 14 e 20 de março – informa que vai oferecer descontos de até 70% para mais de 8 mil produtos. São cerca de 350 lojas participantes, entre as quais estão grandes varejistas, como Ricardo Eletro e Extra, por exemplo.

“Os varejistas têm motivos para fazer essa megapromoção”, observa o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fabio Bentes. O último dado disponível de estoque apurado pela entidade mostra que, em fevereiro, 30,3% dos varejistas acumulavam estoques acima do desejado.

O quadro é mais crítico para os bens duráveis (34,9%, cujas vendas dependem de crédito e da confiança do consumidor na economia).

“O varejo como um todo continua superestocado e isso contamina o comércio eletrônico”, diz Bentes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX