Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Compras de títulos públicos via Tesouro Direto batem recorde de R$ 2,17 bilhões

Em janeiro foram feitas 221.316 operações, com acréscimo de 21.632 investidores, outro recorde, segundo o Tesouro Nacional

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2017 | 12h55

BRASÍLIA - As compras de títulos públicos pelo programa Tesouro Direto somaram R$ 2,17 bilhões em janeiro, o maior valor da história de acordo com o Tesouro Nacional. No mês passado, foram feitas 221.316 operações, com acréscimo de 21.632 investidores, , o maior da série histórica. O valor médio das operações foi de R$ 11.180,00, mas 71,3% das negociações foram de até R$ 5 mil.

Foram resgatados R$ 2,21 bilhões em janeiro, sendo R$ 1,49 bilhão em títulos vencidos e R$ 720 milhões em recompras. Os investidores procuraram principalmente títulos indexados ao IPCA, (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), que tiveram participação de 49,8% do total negociado.

A fatia dos títulos indexados à taxa Selic (Tesouro Selic) corresponderam a 25,7% do total e os prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), a 24,5%. A maioria dos investimentos foram em papéis de menor prazo - 52,9% das compras foram de títulos de um a cinco anos, 36,8% de cinco a dez anos e 10,3% acima de dez anos.

O total de investidores pessoas físicas que estão ativos cresceu 70,9% nos últimos 12 meses, alcançando 423.431 em janeiro.

Estoque. Em janeiro, o estoque de títulos do Tesouro Direto cresceu 55,9% em relação ao mesmo mês de 2016 e alcançou R$ 41,7 bilhões. A maior parte do estoque é formada por títulos remunerados por índices de preços (64,1%), seguida de títulos indexados à taxa Selic (20,6%), e títulos prefixados (15,3%).

A maioria dos títulos vence de 1 a 5 anos (53,8%). Papéis com prazo entre cinco e dez anos correspondem a 20,3% e os com vencimento acima de dez anos, a 16,6% do total. Outros 9,4% vencem em até 1 ano.

Mais conteúdo sobre:
BRASÍLIA Tesouro Nacional IPCA Selic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.