Carlos Chimba|Diario da Região
Carlos Chimba|Diario da Região

Concessão da BR-153 pode ser cassada em 30 dias

Prazo foi dado pela Justiça para que governo decida se vai tirar direito de uso da estrada concedido à Galvão

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

05 Maio 2017 | 23h07

BRASÍLIA -Em resposta a uma ação popular, a Justiça Federal do Tocantins deu prazo de 30 dias para o governo federal decidir, em caráter definitivo, pela cassação do contrato de concessão da rodovia BR-153 no trecho de 624,8 quilômetros entre Anápolis (GO) e Aliança (TO), atualmente nas mãos do grupo Galvão. “Se o prazo não for respeitado, este juízo decidirá acerca da caducidade ou não do contrato administrativo”, escreveu o juiz Adelmar Aires Pimenta da Silva, da 2.ª Vara Federal.

Ele determinou ainda que, caso o contrato de concessão seja mesmo revogado, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) deverá realizar obras de manutenção na rodovia. A estrada, que é um importante eixo de ligação entre o Norte e o Sul do País, encontra-se em mau estado de conservação e registra número elevado de acidentes. 

Lava Jato. A rodovia está nessa situação porque a Galvão virou alvo da Operação Lava Jato pouco depois de assumir a administração do trecho, em outubro de 2014. Com isso, não conseguiu o empréstimo que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou para as demais concessionárias que venceram leilões do Programa de Investimentos em Logística (PIL).

Políticos de Goiás e de Tocantins alegam que o trecho rodoviário está praticamente abandonado e pressionam o governo a dar uma solução para o impasse.

Consultada, a Galvão informou que não vai se manifestar. O Dnit informou, no processo que corre no Tocantins, que não dispõe de recursos orçamentários para recuperar a rodovia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.