André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Concessões de óleo e gás podem gerar investimentos de R$ 300 bilhões, prevê Moreira Franco

Secretário defende projeto, já aprovado no Senado, que acaba com a obrigatoriedade de a Petrobrás participar de todos os leilões de exploração do pré-sal

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

06 Junho 2016 | 12h29

BRASÍLIA - O secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), Moreira Franco (PMDB), afirmou nesta segunda-feira que as concessões na área de óleo e gás podem gerar investimentos de R$ 300 bilhões no curto prazo.

"Vejo esse setor como fundamental para movimentar a economia do Rio de Janeiro e tirar meu Estado da crise, gerar emprego, aumentar a renda, fazer a roda girar", disse Moreira, que já foi governador do Rio, em sua conta no Twitter.

Segundo ele, o primeiro passo para destravar situações é a conversão em lei do projeto do senador José Serra, atualmente ministro de Relações Exteriores. O texto, já aprovado no Senado, mantém o regime de partilha, mas acaba com a obrigatoriedade de a Petrobrás participar de todos os leilões de exploração do pré-sal.

O Estado mostrou, em maio, que o governo do presidente em exercício Michel Temer tem em mãos um levantamento preliminar de uma centena de novas concessões e 40 renovações de contratos da área de transportes que estão maturados para serem deslanchados nesses próximos dois anos, caso o afastamento definitivo de Dilma Rousseff seja aprovado pelo Senado. 

O panorama feito pelas agências reguladoras aponta investimentos da ordem de R$ 110,4 bilhões em aeroportos, rodovias, portos e ferrovias.

Essas concessões, que estão na gaveta vão ser embaladas pelo programa Crescer, que deve ser lançado pela secretaria do PPI. Ainda faltam os projetos da área de energia. 

A meta da secretaria é fazer ajustes nos projetos que já estavam sendo estruturados pela equipe da presidente afastada Dilma Rousseff - que chegou a divulgar boa parte deles dentro do Programa de Investimento em Logística (PIL), lançado no meio do ano passado - para torná-los mais atraentes aos investidores. 

Mais conteúdo sobre:
petroleo petrobras moreira franco

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.