Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Conta de luz fica mais barata a partir desta terça-feira

Economia & Negócios

Divulgação

Conta de luz fica mais barata a partir desta terça-feira

Com a nova bandeira amarela, o acréscimo a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos passa a ser de R$ 1,50, e não mais R$ 3

0

O Estado de S. Paulo

01 Março 2016 | 10h22

SÃO PAULO - A partir desta terça-feira, 1º, as contas de luz dos brasileiros ficam mais baratas. O motivo é a mudança da bandeira tarifária, que deixa de ser vermelha para ficar amarela, conforme previsto pelo Ministério de Minas e Energia. Com isso, o acréscimo a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos passa de R$ 3 para R$ 1,50. 

Desde janeiro de 2015, as faturas de energia elétrica sinalizam ao consumidor quando o fornecimento é mais caro e, desde então, essa é a primeira vez que a bandeira deixa de ser vermelha. A sinalização adotada utiliza três cores: vermelha, quando o acréscimo é de R$ 3,00 a cada 100 kWh na primeira faixa, e de R$ 4,50 na segunda; amarela, que acrescenta R$ 1,50; e verde, que indica a ausência da cobrança extra. 

Sinal verde. Em fevereiro deste ano, o ministro Eduardo Braga anunciou que, a partir de 1º de abril, as contas de luz de todo o País trarão a bandeira verde, o que significa que a cobrança extra pelo uso de energia termelétrica vai acabar. Com isso, os consumidores terão uma redução média de 6% a 6,5% na conta de luz, disse o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. 

O aumento de chuvas em 2015 melhorou o volume dos reservatórios das hidrelétricas e o governo decidiu desligar mais 15 usinas térmicas no início deste mês. Sem esses empreendimentos, será possível poupar cerca de R$ 8 bilhões por ano, já que a energia gerada pelas usinas térmicas é mais cara. 

"A evolução positiva do período úmido de 2016, que recompõe os reservatórios das hidrelétricas, aliada a aumento de energia disponível, redução de demanda e adição de novas usinas ao sistema elétrico brasileiro, possibilitou a mudança das bandeiras tarifárias nos últimos meses", publicou a Aneel. 

Braga afirmou , porém, que a cobrança das bandeiras na conta de luz poderá voltar “se houver um desastre”. “A razão de termos esse regime é termos flexibilidade para administrar melhor o custo para a tarifa. Essa gestão continua sendo feita mensalmente”, disse o ministro no final do mês passado.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.