1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Contas externas mostram a piora relativa do Brasil

Os indicadores do balanço de pagamentos em janeiro, com diminuição do déficit mensal na conta corrente para US$ 4,8 bilhões, 60% menor do que o déficit de US$ 12,1 bilhões de janeiro de 2015, podem ser vistos pelos seus aspectos positivos – a menor dependência externa – ou por aspectos negativos – a piora da posição do Brasil na comparação com outros países, menos afetados pela valorização do dólar americano. Em ambos, o resultado é menos favorável do que possa parecer.

A queda do déficit corrente em 12 meses – principal medida do balanço de pagamentos –, avaliada pela necessidade de financiamento externo, foi de US$ 103,1 bilhões em janeiro de 2015 para US$ 51,5 bilhões no mês passado.

Importando menos bens de consumo e capital e gastando menos com turismo, nos dois casos por causa da recessão, o Brasil poupa cambiais e reduz o déficit corrente. O déficit em viagens internacionais caiu de US$ 2,2 bilhões em janeiro de 2015 para US$ 840 milhões no mês passado. O déficit na conta de serviços, que além de turismo e transporte inclui aluguel de equipamentos, caiu de US$ 3,6 bilhões para US$ 1,3 bilhão entre os meses de janeiro de 2015 e de 2016.

O déficit corrente de janeiro foi o menor desde 2009, segundo o Banco Central (BC). O ingresso de investimento direto cobre com folga o déficit corrente. Este cairá, segundo o BC, a US$ 41 bilhões ou menos até dezembro, bem abaixo dos investimentos diretos, estimados em US$ 60 bilhões. Analistas privados já admitem que o superávit comercial poderá ser de até US$ 40 bilhões e o déficit corrente, de US$ 15 bilhões.

Mas, no cenário mundial, a economia do País está menor. O PIB de US$ 2,346 trilhões em 2014 caiu para US$ 1,730 trilhão em 2015 e pode ir a US$ 1,454 trilhão neste ano, segundo dados do boletim Focus do BC elaborados pelo Bradesco. A melhora da conta externa não ajuda a diminuir o risco Brasil, cuja classificação foi rebaixada há dias pela Standard & Poor’s e, agora, pela Moody’s, que reduziu em dose dupla a classificação brasileira. O País perdeu o grau de investimento porque as contas fiscais estão em frangalhos.

Com reservas estáveis de US$ 370 bilhões e déficits correntes menores, perdem importância relativa a queda de investimentos em carteira e a taxa cadente de rolagem da dívida externa de empresas, indicando que os devedores evitam compromissos em dólar enquanto o mercado global está mais fechado para o Brasil.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX