1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Continuam ruins as perspectivas para o varejo

A atividade do varejo medida pelo volume de consultas mensais à base de dados da consultoria Serasa Experian caiu 1,1%, em relação a dezembro, e 9,6%, em relação a janeiro de 2015. O indicador toma como base pesquisa feita com cerca de 6 mil empresas comerciais e, com frequência, permite antecipar as tendências do varejo que serão mais amplamente conhecidas nos levantamentos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados com maior defasagem.

O declínio medido em bases anuais foi generalizado: 20,4% em veículos, motos e peças; 15,3% em tecidos, vestuário, calçados e acessórios; e 13,1% em móveis, eletroeletrônicos e informática. Quedas menores foram registradas em material de construção (2,4%) e supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (6,7%). Num único item houve alta: combustíveis e lubrificantes, com aumento de 3,8%.

As quedas não se limitaram, portanto, aos bens duráveis de consumo, de custo unitário mais elevado e muito atingidos pela recessão, alcançando produtos de consumo básico, como alimentação.

A inflação de janeiro (de 1,27% medida pelo IPCA, de 1,53% pelo IGP-DI e de 1,50% pelo ICVM, o indicador da classe média paulistana) foi determinante da queda do poder aquisitivo e da redução da demanda no varejo.

Sazonalmente, o primeiro bimestre já é o mais difícil para os consumidores, sujeitos ao pagamento de IPVA, IPTU, matrículas e material escolar. Mas, além disso, o poder de compra dos salários ficou comprometido pela elevação de preços de alimentos e bebidas, de 1,83% em novembro e de 1,50% em dezembro, chegando a 2,28% em janeiro e acumulando 5,7% em três meses.

Em termos sazonais, a pesquisa revelou leve melhora em alguns setores entre dezembro e janeiro (material de construção, móveis, eletroeletrônicos e informática e até veículos, motos e peças). Mas a explicação parece estar no fato de que alguns consumidores evitaram comprar em dezembro, quando o Natal estimula as empresas a elevar margens, adiando o consumo para janeiro. Nada há, portanto, que justifique uma melhora das expectativas.

A piora do mercado de trabalho é acentuada, com estimativas de que até 2 milhões de vagas formais poderão ser eliminadas neste ano, após a queda de cerca de 1,5 milhão de vagas em 2015. A alta real do salário mínimo e das aposentadorias não permitirá mudar o quadro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX