Contra proposta de reforma da Previdência, agentes penitenciários invadem sede do MJ

Principal reinvindicação é a inclusão da categoria nos mesmos critérios estabelecidos no relatório para os demais policiais

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

02 Maio 2017 | 17h40

BRASÍLIA - Agentes penitenciários invadiram nesta terça-feira a sede do Ministério da Justiça em Brasília em protesto contra a proposta da Previdência apresentada pelo governo do presidente Michel Temer. Segundo representantes dos sindicatos da categoria, cerca de 300 agentes estão neste momento dentro do prédio, onde pretendem permanecer pelos próximos dez dias.

A principal reinvindicação é a inclusão da categoria nos mesmos critérios estabelecidos no relatório da Previdência para os demais policiais. “Hoje, no texto do relator está previsto uma aposentadoria de 65 anos de idade mínima ou 35 anos de contribuição para o homem. Queremos que seja estabelecido 55 anos de idade e a contribuição de 30 anos, como está previsto para os demais”, afirmou o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí, José Roberto Pereira.

Segundo ele, caso não haja negociação, a categoria está disposta a resistir. “Estamos chamando mais gente, a Força Nacional tem o seu aparato e nós temos o nosso. Se o governo não quiser negociar vai colocar as duas forças de segurança para se matarem. Nós não temos nada a perder, já fomos jogados, esquecidos nos calabouços das prisões”, ressaltou Pereira.  

De acordo com o presidente do Sindicato dos Agentes de São Paulo, Daniel Grandolfo, os representantes dos agentes que estão dentro do prédio do ministério da Justiça pretendem ser ouvidos pelo ministro da Justiça, Osmar Serraglio, ou representantes do governo que estão a frente das negociações da PEC da previdência. “A nossa expectativa de vida é de 50 anos, queremos ser incluídos no mesmo patamar dos demais policiais”, disse Grandolfo. 

Mais conteúdo sobre:
INSS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.