JF DOrio/Estadão
JF DOrio/Estadão

Contra reforma trabalhista, manifestantes ocupam Avenida Paulista

Parlamentares devem votar a nova lei nesta terça-feira, 11; protesto foi organizado pela Frente Povo sem Medo e pelo MTST

Caio Rinaldi e Sara Abdo, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2017 | 20h38

Manifestantes contrários à reforma trabalhista ocuparam a avenida Paulista na noite desta segunda-feira, 10. Por volta das 18 horas eles se reuniram no vão do MASP e caminharam em direção à Fiesp, a que chamaram de 'ordenadora do golpe'.  

O protesto foi organizado pela Frente Povo Sem Medo e Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) para marcar a oposição à reforma trabalhista, que deve ir à votação no Senado nesta terça-feira, 11

O texto do relator Ricardo Ferraço foi aprovado, sem alterações, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na quarta-feira, 28 de junho. A reforma tem o respaldo do senador Romero Jucá e sancioná-la é um dos principais objetivos do governo Temer, que segue em crise.

Em frente à Fiesp, os manifestantes queimaram um boneco do presidente Michel Temer. Na transmissão ao vivo via Facebook, o portal Jornalistas Livres chamaram Temer de "a cara do golpe".  O grupo de manifestantes informou a Polícia Militar que pretende seguir em caminhada até o diretório do PMDB na capital paulista, localizado na Rua Manuel da Nóbrega, no bairro do Paraíso.

Reflexo no trânsito.  A assessoria de imprensa da Polícia Militar informou que o trânsito na Avenida Paulista está bloqueado no sentido Paraíso.  Objetos foram incendiados e os bombeiros foram chamados para conter as chamas. Há pouco, os manifestantes já haviam deixado a avenida Paulista, mas o fluxo de veículos ainda estava interrompido, enquanto os bombeiros continham pequenos focos de incêndio na pista. 

Mais conteúdo sobre:
MASP MTST Ricardo Ferraço Romero Jucá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.