1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crédito cai com menos demanda e mais recessão

Em 2015, o saldo das operações de crédito cresceu apenas 6,6% em relação a 2014, atingindo R$ 3,217 trilhões, enquanto as concessões – que refletem os empréstimos novos ou renegociações – diminuíram 3,2% em termos nominais e 14% descontada a inflação. Dezembro é um mês atípico, em que o crédito tende a crescer (+1,3% em relação a novembro), mas ainda assim os números foram fracos, o que mostra a gravidade da situação econômica.

Segundo a nota do Banco Central (BC), o declínio real do crédito acompanhou a retração da atividade econômica e os efeitos da política monetária (ou seja, dos juros altos) – e nada indica que 2016 será melhor, pois, salvo no crédito imobiliário, há pouca demanda de crédito.

Para este ano, o BC prevê crescimento nominal do crédito de 7%. Dada a inflação esperada, poderá representar o segundo ano consecutivo de redução real de empréstimos. Economistas como Flavio Calife, da Boa Vista SCPC, calculam que o estoque de crédito aumente apenas 5% em 2016.

Em 2015, empresas e famílias aumentaram o endividamento em operações de crédito direcionado, de custo menor que o livre. Mas as concessões de crédito direcionado cresceram apenas 0,5% em 12 meses para as pessoas físicas e caíram 2,1% para as pessoas jurídicas, provavelmente por conta da redução da oferta pelo BNDES ao longo do ano.

A relação entre o crédito e o PIB aumentou apenas 1,1 ponto porcentual entre 2014 e 2015, de 53,1% para 54,2%, cerca da metade do crescimento de 2014, de 2,1 pontos.

Em dezembro, as taxas médias de juros caíram 0,3 ponto porcentual para as empresas (de 21,2% ao ano para 20,9% ao ano) e 0,8 ponto para as famílias (de 38,7% para 37,9% ao ano). Mas também neste caso se trata de fato atípico: é no último mês do ano que mais pessoas físicas quitam o cheque especial e empresas renegociam débitos que não conseguiam quitar. Mesmo assim a inadimplência em 12 meses e prazo superior a 90 dias cresceu 0,7 ponto porcentual.

Os aposentados da Previdência Social e os funcionários públicos foram os que mais se endividaram no crédito consignado, aumentando seus débitos, respectivamente, 11,3% e 8,4% entre 2014 e 2015. São categorias com rendimento ou emprego estáveis, mas a alta do endividamento das pessoas de maior faixa etária podem ter implicações negativas, reduzindo o espaço para quitar despesas extraordinárias.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX