Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Cresce número de idosos inadimplentes

A quantidade de idosos consumidores entre 65 e 94 anos de idade inadimplentes aumentou 8,56% em agosto; no mesmo período, a média nacional de inadimplência aumentou 4,86%

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S. Paulo

25 Setembro 2015 | 12h08

A quantidade de idosos consumidores entre 65 e 94 anos de idade inadimplentes aumentou 8,56% em agosto deste ano comparativamente ao mesmo período do ano passado, de acordo com levantamento da economista Marcela Kawauti, chefe do Departamento Econômico do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

No mesmo período, a média nacional de inadimplência aumentou 4,86%. "Nessa faixa etária, o crescimento do número de devedores esteve acima da média em toda a série histórica", afirma a economista.

Dados do IBGE mostram que, em 15 anos, a quantidade de pessoas na faixa de 65 a 94 anos passou de 5,61% para 7,90% da população brasileira. Segundo Marcela, a tendência é de que esse número cresça ao longo dos próximos anos. "Um dos motivos dessa transformação é o aumento da expectativa de vida ao nascer, que chegou aos 74,9 anos em 2014", diz. "Mas a mudança é mais do que quantitativa. Mudam-se também os hábitos de vida e de consumo de quem chega à terceira idade."

A especialista explica, porém, que a grande maioria dos idosos chega à terceira idade dependendo apenas da previdência social, em razão da baixa renda e, em muitos casos, da falta de planejamento para a velhice. "Como reflexo disso, a inadimplência entre consumidores idosos avança a taxas acima da média ao longo dos últimos anos", explica Marcela.

O SPC Brasil estima um total de 4,3 milhões de idosos com o nome registrado em serviços de proteção ao crédito, o que equivale a 27% da população nesta faixa de idade. No balanço final de cada ano, até 2014, observa-se que o número de devedores entre os idosos cresceu mais que o dobro da média, em todos os anos. Porém, de janeiro a agosto de 2015, a diferença diminuiu: o número de devedores idosos avançou 6,88%, ao passo que o total avançou 5,88%.

Em relação ao número total de dívidas em atraso, segundo a SPC Brasil, o mês de agosto registrou uma variação de 6,28%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Já entre os idosos, o crescimento foi bem mais expressivo: 10,6% - a maior variação desde janeiro de 2013. "Os dados do SPC Brasil mostram que os devedores com idade entre 65 e 94 representam 8,82% do total de devedores. No início da série histórica, essa faixa etária representava 6,51%. Já do total de dívidas em atraso, os idosos respondem por 6,85%. No início da série histórica, respondiam por 5%", explicou a economista.

Mais conteúdo sobre:
inadimplência idosos SPC Brasil CNDL calote

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.