Crescimento mundial cai a 4,3% por causa do petróleo

O crescimento da economia mundial se desacelerou a 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2005 e manterá esse ritmo em 2006, devido ao aumento dos preços do petróleo, segundo um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado hoje. O Fundo confirma, assim, seu prognóstico para 2005, apesar de revisar com uma baixa de 0,1 ponto o crescimento mundial para 2006. Em comparação com a taxa de crescimento de 5,1% em 2004, a economia mundial "permanece no geral no caminho do crescimento", apesar de enfrentar riscos. Além das altas cotações do petróleo, o informe critica os desequilíbrios das contas correntes "que continuam acentuados" desde abril. O FMI também revisou ligeiramente em baixa suas previsões de crescimento para os Estados Unidos, ao situá-las em 3,5% para 2005 e 3,3% para 2006, devido fundamentalmente aos efeitos do furacão Katrina e aos preços do petróleo. O Fundo havia previsto um crescimento de 3,6% em 2005 e 2006 para o país. Para a zona euro, a revisão também foi de queda, a 1,2%, e o FMI destacou a falta de dinamismo da Europa, que enfrenta um futuro altamente incerto. A América Latina crescerá 4,1% em 2005, e sua recuperação econômica será mais resistente e sólida que no passado, anunciou o FMI em seu informe semestral sobre as perspectivas econômicas mundiais. Apesar de moderado desde seu recorde de 5,6% (cifra revisada) registrado em 2004, o maior desde 1980, a instituição espera que a recuperação da crise iniciada há três anos continue e que o crescimento se mantenha acima da média dos anos 90 este ano e em 2006 por causa de um aumento da demanda doméstica e internacional. O informe mantém o mesmo prognóstico de alta do PIB que há seis meses, e elevou de 3,6% a 3,8% a perspectiva de crescimento para a região em 2006.

Agencia Estado,

21 Setembro 2005 | 11h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.