1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crise da construção afeta mais as grandes empresas

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 02h 55

Em janeiro, as sondagens da construção civil promovidas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) reforçaram os indicadores negativos do setor, mas apontaram com mais clareza a diferença entre o comportamento das grandes companhias, notadamente aquelas envolvidas em operações comprometedoras com a Petrobrás postas a nu pela Operação Lava Jato, e o das de pequeno porte, que aos poucos se preparam para ocupar o espaço perdido pelas grandes. Há, portanto, um leve sinal de oxigenação do segmento, ainda que analistas acreditem que uma recuperação consistente só virá no longo prazo – provavelmente em 2018.

No segmento residencial, as pequenas empresas ganham com a execução de obras para os estratos de menor renda, com financiamento ainda disponível com recursos do FGTS, que subsidiam o programa de habitação social. É o contrário do que ocorre com as moradias destinadas à classe média: em 2014, as companhias abertas da construção tomaram empréstimos dos agentes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), com recursos das cadernetas, de R$ 31,4 bilhões, reduzidos a R$ 20,8 bilhões em 2015.

Segundo a FGV, o Índice de Confiança da Construção (ICST) caiu 0,7 ponto porcentual entre dezembro e janeiro, com forte recuo na carteira de contratos das empresas. Em 12 meses, a queda foi de 17,6% e o indicador é o menor da série histórica do ICST. Como os projetos de construção são de longo prazo, o impacto futuro da redução da carteira é expressivo, devendo afetar o emprego e a taxa de investimento fixo do País, para a qual a construção contribui expressivamente.

Até dezembro, na avaliação da CNI, os resultados revelam a melhora relativa da situação das pequenas empresas. Entre os principais problemas enfrentados pelas companhias, o maior é a redução da demanda interna, mencionada por 30,7% das empresas no terceiro trimestre de 2015 e por 35,3% no trimestre passado.

A falta de demanda torna-se aguda. Mas, na decomposição dos dados pelo porte das companhias, verifica-se que apenas 23,8% das pequenas consideraram a demanda insuficiente no último trimestre, porcentual que chega a 41,9% no caso das grandes. É um sinal que não deve ser ignorado, pois a melhora da posição relativa das pequenas companhias pode significar um indício promissor de revitalização da atividade, ainda que os maiores efeitos venham a longo prazo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX