1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crise leva TAM a fechar museu de aviação

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 10h 06

Companhia alega dificuldades provocadas pelo aumento da inflação e alta do dólar; custo mensal de manutenção do local é de cerca de R$ 300 mil

Local reinaugurado em 2010 tem 90 aeronaves, entre as quais o monomotor do fundador da empresa

Local reinaugurado em 2010 tem 90 aeronaves, entre as quais o monomotor do fundador da empresa

A TAM anunciou na segunda-feira o fechamento do museu que mantém em São Carlos (SP). O motivo é a crise econômica, principalmente no setor aeroviário, que dificulta manter o local, que conta com 90 aeronaves. Segundo a companhia, houve “a necessidade de um estudo interno de viabilidade econômica do museu, que deverá ocorrer ao longo deste ano”.

Oficialmente, as atividades estão “suspensas temporariamente”, devendo ainda ser analisada a situação. Com mais de 20 mil metros quadrados de área, o empreendimento foi criado há quase dez anos e é considerado o maior museu de aviação do mundo mantido por uma companhia aérea privada.

Ele surgiu a partir da restauração de um antigo monomotor Cessna dos irmãos Rolim, fundador da TAM, e João Amaro.

Entre o acervo do museu, que fica localizado na Rodovia Engenheiro Talles de Lorena Peixoto, constam aviões clássicos, jatos e caças, a maioria em plenas condições de voo. Destaque para o Fokker 100, o MiG -21 e o Dassault Mirage III, entre outros.

Também há simuladores de voo e mais atrações, incluindo um espaço para crianças. Os visitantes pagavam R$ 25 para visitar o museu, que foi aberto pela primeira vez em novembro de 2006. Depois foi fechado em 2008 e reinaugurado de forma oficial em junho de 2010.

O custo de manutenção mensal estaria em torno de R$ 300 mil e antes já havia sido cogitada a possibilidade de mudar o museu para São Paulo. Seria também uma forma de ampliar o número de visitantes, que era considerado baixo (mais de 100 mil pessoas no ano de 2014). Porém, a mudança não vingou e continua apenas no projeto.

A suspensão das atividades, que começou a valer no último final de semana, pegou turistas de surpresa e não faltaram comentários na internet. Uma mulher reclamou que foi com a família e se deparou com o local fechado. “Minhas filhas ficaram chorando”, afirmou. Outros lamentaram a falta de informações sobre quando o museu será reaberto.

Desaceleração. A empresa informou em nota que “a decisão está atrelada ao acirramento dos desafios econômicos do País, provocado pelo aumento da inflação e pela alta do dólar em relação ao real, resultando em uma desaceleração do setor aéreo”.

Argumenta ainda que “tentou de todas as formas buscar alternativas para manter o espaço em funcionamento, mas infelizmente, diante de um cenário econômico desafiador, não foi possível”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX