ALEX SILVA/ESTADÃO
ALEX SILVA/ESTADÃO

Crise política e baixo nível de atividade econômica pioram confiança do empresário

Índice de Confiança do Comércio (Icom) recuou 2,9 pontos na passagem de maio para junho, saindo de 88,6 pontos para 85,7 pontos, segundo a FGV

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2017 | 15h10

RIO - A piora da crise política, com o envolvimento do presidente Michel Temer na delação premiada dos executivos do grupo JBS, "acertou em cheio" a confiança do empresário do comércio em junho, mas o nível da atividade econômica também é um entrave, segundo o superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Aloisio Campelo Junior.

Mais cedo, a FGV informou que o Índice de Confiança do Comércio (Icom) recuou 2,9 pontos na passagem de maio para junho, saindo de 88,6 pontos para 85,7 pontos.

+ Gastos de brasileiros no exterior superam novamente o dos estrangeiros no Brasil

Dentro do Índice de Situação Atual (ISA-Com), que recuou 3,3 pontos, para 79,6 pontos, o indicador que mede o "volume de demanda atual" tombou ainda mais: 4,9 pontos de queda, para 70,3. Apenas 7,9% dos entrevistados na Sondagem do Comércio disseram ver demanda forte em suas lojas em junho, enquanto 39,3% apontaram que a demanda está fraca. "Achei curioso o ISA cair também. Parece que (a queda da confiança) vai além da questão política. Há um desânimo", disse Campelo.

A exceção ficou por conta dos segmentos do comércio que vendem bens de consumo duráveis, com impacto decisivo da liberação dos recursos das contas inativas do FGTS, na avaliação do pesquisador da FGV. O Icom do segmento de duráveis ficou em 93,9 pontos em junho, acima da média.

+ Governo perdeu ambiente para as reformas, diz Monica de Bolle

Já os segmentos de não duráveis registraram 78,9 pontos, abaixo dos 85,7 pontos do Icom geral. Quando se olha para as médias móveis trimestrais, o segmento de duráveis teve alta nos dois componentes do Icom: mais 3,8 pontos no ISA-Com (para 87,5) e mais 0,8 ponto no IE-Com (para 99,0).

"Para esse pessoal, a crise política não chegou a fazer uma mudança na leitura", disse Campelo, lembrando que o comércio de bens duráveis vem de um longo período de vendas em baixa e que ajuda a confiança a perspectiva de queda nos juros.

Para Campelo, o impacto da revelação da delação da JBS já foi captado pelos indicadores de confiança. De julho em diante, o cenário é de incerteza, sem uma tendência clara - somente se novas quedas se repetirem haverá o risco de um colapso na confiança afetar a atividade, disse Campelo. 

Mais conteúdo sobre:
Reforma da Previdência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.