1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

CSN começa a demitir e sindicato busca apoio no governo do Rio

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 21h 37

Governador Pezão pede adesão de empresa ao PPE e cobra do governo federal incentivo à indústria local

RIO - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) deu a largada nas demissões na usina de Volta Redonda, no sul fluminense. Pelo menos 400 pessoas já foram desligadas no chão de fábrica desde a última sexta-feira, segundo fontes. O movimento deve continuar ao longo desta semana. Preocupado com o impacto para a região, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, tenta intervir para frear os cortes, que podem atingir três mil trabalhadores da empresa.

Nesta segunda-feira, 11, Pezão recebeu sindicalistas no Palácio Guanabara, no Rio. O governador ligou para o diretor executivo corporativo da CSN, Paulo Caffarelli, pedindo que a companhia avaliasse a adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE) do governo federal, uma das reivindicações do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense. Caffarelli é ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda do governo Dilma Rousseff.

Cálculos incluem as vagas fechadas pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)

Cálculos incluem as vagas fechadas pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)

Ele se comprometeu a levar o assunto ao presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, mas fontes próximas à companhia avaliam que dificilmente a solução do PPE, já adotada por empresas como a montadora MAN, em Resende (RJ), emplacará. Segundo a assessoria do governador a CSN estaria disposta a rever o número de demissões.

Pezão também acionou o ministro do Desenvolvimento e Indústria, Armando Monteiro, pedindo apoio do governo federal para incentivar a indústria local. O ministro esteve ontem com a presidente Dilma para discutir a crise do setor siderúrgico e prometeu incluir o caso CSN na pauta.

Em meio à falência financeira do Estado, o governador defende a manutenção de empregos como uma das saídas da crise econômica. “O que movimenta e aquece a economia são os empregos”, disse no encontro.

Saídas. Diante da crise do setor siderúrgico, os sindicalistas sabem que é impossível evitar demissões, mas tentam buscar soluções com as várias esferas de governo para amenizar esse quadro. Segundo Carlos Santana, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, outras propostas são a adoção de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) ou do regime de lay-off (suspensão temporária de contratos). “Não concordamos com as demissões ou perda de direitos e vamos buscar caminhos para brecar isso”, diz. O sindicato enviou um ofício à CSN pedindo a retomada das negociações.

A estimativa do sindicato é de que 3 mil funcionários deverão ser dispensados com o desligamento do alto-forno 2 da Usina Presidente Vargas e que o valor dos contratos com fornecedores seja reduzido em 35%. A CSN não confirma os números, nem definiu se desligará o equipamento ou se adotará uma parada temporária para manutenção. Por enquanto o equipamento continua operando e os cortes foram feitos para reduzir custos de maneira geral. A capacidade instalada de produção da CSN é de 5,6 milhões de toneladas por ano e o alto-forno 2 responde por 30% dela.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX