1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

CSN e Usiminas discutem demissões com sindicatos

- Atualizado: 09 Janeiro 2016 | 05h 00

Siderúrgicas negociam medidas para atenuar o impacto das 7 mil demissões previstas para Volta Redonda e Cubatão

RIO - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e a Usiminas estão se reunindo com os sindicatos dos metalúrgicos para discutir medidas para amenizar o impacto das milhares de demissões previstas nas cidades de Volta Redonda (RJ) e Cubatão (SP). A estimativa é que as duas empresas possam eliminar sete mil postos de trabalho.

A Usiminas marcou para a próxima semana a 9ª reunião com representantes do Sindicato dos Metalúrgicos da Baixada Santista e região, para tratar da parada da Usina de Cubatão, ex-Cosipa. A suspensão das atividades provocará a demissão de quatro mil empregados, diretos e indiretos. A CSN fez duas reuniões com trabalhadores na semana passada, sem avanço nas negociações.

Indústria siderúrgica está em crise

Indústria siderúrgica está em crise

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, deve entrar no circuito para tentar conter as demissões no Estado. Ele receberá na segunda-feira o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, Silvio Campos. A expectativa é que Pezão ajude na interlocução com o presidente da companhia, Benjamin Steinbruch. A ameaça de cortes de até 3 mil pessoas na usina de Volta Redonda se arrasta desde dezembro, quando veio a público que a CSN estudava paralisar seu alto-forno 2.

O Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, apurou que a paralisação em Cubatão está marcada para o dia 31 de janeiro. No momento, a Usiminas negocia o fornecimento de placas com a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA). Depois dessa data, a usina fará apenas a laminação de aço.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX