1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

CSN desliga alto-forno por 90 dias

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 21h 45

Após o período, siderúrgica vai definir se retomará ou não as atividades; equipamento responde por 30% da capacidade total da unidade

RIO - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) confirmou nesta segunda-feira, 25, a parada para manutenção do alto-forno 2 da usina de Volta Redonda, no Rio, desde a madrugada de domingo. O equipamento ficará desligado por 90 dias. Após esse prazo, a siderúrgica deverá avaliar as condições de mercado para então definir se retoma ou não as atividades. A empresa não informou se haverá mais demissões por conta da paralisação da unidade.

O alto-forno 2 responde por 30% da capacidade de produção total da usina, de 5,6 milhões de toneladas de aço ao ano, e tem 250 pessoas diretamente alocadas em sua operação. Segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, parte desse pessoal vai atuar na própria manutenção e outros serão deslocados para o alto-forno 3, que concentra 70% da produção da usina.

Empresa vai avaliar retomada das atividades ao final do período e não informou se haverá demissões

Empresa vai avaliar retomada das atividades ao final do período e não informou se haverá demissões

Em princípio, vale o acordo fechado entre a CSN e o Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense que prevê o fim das demissões após o corte de 700 pessoas neste mês. Os rumores sobre o fechamento do alto-forno começaram a circular no fim do ano passado, diante do agravamento da crise da siderurgia. A expectativa do sindicato era que a medida pudesse causar a demissão de 3 mil pessoas, o que levou à mobilização de políticos como o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

“Não vai haver demissão agora. A empresa abafou o forno para fazer uma reforma que pode levar de 90 a 120 dias”, disse o diretor do sindicato, Carlos Santana. Sindicalistas do setor se mobilizam para ir a Brasília defender ações de desoneração para a siderurgia junto ao governo, como pedem as empresas.

Em meio à crise financeira global, em 2009, a CSN parou o mesmo alto-forno por três meses. Após os reparos e diante de sinais de retomada do setor, a empresa decidiu religar o equipamento, onde o minério de ferro é fundido para a produção de ferro gusa.

Usiminas. Enfrentando uma séria crise financeira, a Usiminas é outra siderúrgica que já parou fornos e começou a desligar coquerias na unidade em Cubatão, baixada Santista. No fim do mês, a siderúrgica mineira paralisará, temporariamente, a produção primária da usina, o que deve provocar uma demissão de cerca de 4 mil pessoas entre funcionários diretos e indiretos. / COLABOROU FERNANDA GUIMARÃES

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX