1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

CVM abre novo processo contra Petrobrás

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 21h 14

Além da estatal, órgão regulador de mercado apura responsabilidades de ex-dirigentes sobre capitalização em 2010

Questionamentos de acionistas da Petrobrás levaram a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a abrir um novo processo sancionador envolvendo a estatal e alguns ex-dirigentes. 

Além da estatal, o órgão regulador do mercado de capitais apura a responsabilidade dos ex-presidentes Graça Foster e José Sergio Gabrielli, do ex-diretor de Relações com Investidores Almir Barbassa, além do Bradesco BBI e de Bruno Boetger, executivo do banco, por falhas nas informações divulgadas aos investidores na capitalização que levantou US$ 69,9 bilhões em 2010. A CVM menciona possível indução a erro.

O caso começou a ser analisado no ano passado, quando minoritários reclamaram que passariam a ter direito a voto, diante da decisão da empresa de não pagar dividendos mínimos prioritários referentes a 2014. A partir daí, a CVM pôs em xeque a veracidade das informações prestadas no prospecto da oferta. O documento distribuído aos acionistas na época afirma que os donos de ações preferenciais (PN) da empresa não tinham direito a voto nas assembleias de acionistas “exceto em circunstâncias especiais”. Entre elas, a estatal não pagar a esses acionistas o dividendo mínimo por três anos seguidos.

Ao ser acionada pela CVM a Petrobrás respondeu que suas ações preferenciais nunca terão direito a voto. Em documento assinado por seu diretor Financeiro, Ivan Monteiro, a estatal embasa sua tese na Lei do Petróleo. A legislação de 1997 determina que o exercício do controle da Petrobrás pertence à União Federal e que as preferenciais serão sempre sem direito a voto, embora a Lei das Sociedades Anônimas (Lei 6.404/76) crie exceções a essa regra no cenário de não pagamento de dividendos.

Em ofícios enviados à companhia, aos quais o Estado teve acesso, a CVM diz que pode ter havido indução dos investidores a erro na oferta de ações. Para o regulador, a Petrobrás poderia ter sido mais clara sobre o fato de que as ações PN jamais teriam direito a voto. A CVM não comenta casos específicos e aguarda as defesas dos acusados desde sexta-feira, dia 15.

A estatal afirma que no prospecto da oferta e em informações disponíveis no site da CVM deixam claro que é uma sociedade de economia mista sujeita tanto à Lei das S.As. quanto à Lei do Petróleo. Mas avalia que neste caso a Lei do Petróleo deve prevalecer, por ser mais recente.

Gabrielli disse que questionamentos dizem respeito à relação entre a petroleira e os acionistas. Ele confirma que foi notificado pela CVM, mas não se posicionará à imprensa. Barbassa disse não ter sido notificado e Graça Foster não foi encontrada. / COLABOROU FERNANDA NUNES 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX